Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Idosa morre após contrair ameba ao lavar nariz com água da torneira

As amebas comeu parte do cérebro da mulher

Compartilhe
Google Whatsapp

Uma mulher de 68 anos de idade de Seattle morreu após contrair uma ameba rara que come cérebros. A senhora usava água da torneira para lavar seu nariz, de acordo com uma nova pesquisa.

Como observado em um novo estudo de caso do International Journal of Infectious Diseases, a infecção foi inicialmente diagnosticada erroneamente como um tumor cerebral. Durante a cirurgia para remover o suposto tumor, o neurocirurgião-chefe Charles Cobbs, do Swedish Medical Center de Seattle, ficou surpreso com a extensão do dano cerebral. Então, ele extraiu uma amostra para testes adicionais.

“Quando eu operei essa senhora, uma parte de seu cérebro, do tamanho de uma bola de golfe, era uma polpa sangrenta”, disse Cobbs ao Seattle Times. “Havia essas amebas em todo lugar simplesmente comendo as células cerebrais. Nós não tínhamos a menor ideia do que estava acontecendo, mas, quando pegamos o tecido, vimos que eram amebas.”

De fato, o relatório de biópsia que se seguiu mostrou que a mulher havia sido infectada com uma rara ameba comedora de cérebro, chamada Balamuthia mandrillaris. Esse tipo de infecção é bastante raro, mas o que é incomum neste incidente é que é o “primeiro caso de infecção cerebral por Balamuthia mandrillarisem que se suspeita que a lavagem nasal seja a causa”, segundo o estudo, de autoria de cientistas do Swedish Medical Center e médicos que trabalharam no caso, incluindo Cobbs.


Por lavagem nasal, os pesquisadores estão se referindo ao uso de um pote neti — um dispositivo em forma de bule que alivia a pressão do nariz ao injetar água pela cavidade nasal. Os pesquisadores disseram que a paciente usou água da torneira filtrada. Em vez disso, recomenda-se usar água fervida ou com sal.

Como usuário de pote neti, isso é um choque para mim. Eu realmente não sabia que água fervida ou salgada deveria ser usada em vez de água da torneira — e suspeito que isso também surpreenda muitas outras pessoas.

B. mandrillaris é uma ameba de vida livre, encontrada no solo e em água doce. Este organismo unicelular não deve ser confundido com Naegleria fowleri, outra ameba que também come cérebros e que também vive em água doce. Diferentemente da N. fowleri, no entanto, que mata suas vítimas humanas em questão de dias, a ameba de B. mandrillaris requer mais tempo para infligir seu dano. Neste caso, a mulher viveu cerca de um ano depois de ser infectada, de acordo com o artigo.

Essas amebas tradicionalmente vivem nos climas quentes da América do Sul e Central, mas a mudança climática pode estar abrindo novos habitats — inclusive em estados norte-americanos como Washington. A B. mandrillaris foi detectada pela primeira vez em 1986 em um macaco mandril do zoológico de San Diego. Foi declarada uma espécie distinta em 1993, de acordo com o artigo. Globalmente, apenas 200 infecções foram registradas, das quais 70 ocorreram nos Estados Unidos. De forma alarmante, a taxa de fatalidade é de praticamente 100%.

Normalmente, é necessário uma circunstância incomum para ser infectado. A ameba não pode ser contraída simplesmente bebendo água contaminada. Nos casos que envolveram N. fowleri, por exemplo, as pessoas contraíram a ameba pulando em um lago, o que fez com que a água entrasse em seus narizes. Neste caso da mulher de Seattle, no entanto, foi o dispositivo de enxágue que colocou as amebas, através da água da torneira infectada, em suas passagens nasais e em seus nervos olfatórios, disseram os cientistas.

Para esta pobre mulher, que morreu de infecção cerebral em fevereiro passado, a condição manifestou-se pela primeira vez como uma erupção cutânea no nariz. Não suspeitando de algo particularmente incomum, seus médicos o diagnosticaram como uma rosácea, uma condição comum da pele, com tratamentos que duravam cerca de um ano. Depois, a mulher sofreu um derrame e fez uma tomografia computadorizada de seu cérebro, que diagnosticou um tumor cerebral — como sabemos, era um diagnóstico incorreto. A cirurgia cerebral da mulher e a subsequente biópsia revelaram finalmente a verdadeira natureza de sua condição.

“Apesar da terapia anti-amebiana agressiva, a condição do paciente continuou a se deteriorar”, observaram os autores do artigo. “Dentro de uma semana ela estava mais sonolenta e depois ficou em coma. A repetição da tomografia computadorizada demonstrou mais hemorragia na cavidade de ressecção original. Neste momento, a família decidiu retirar o suporte de vida.”

A paciente morreu cerca de um mês depois de finalmente receber o diagnóstico correto.

De fato, o incidente mostra como é difícil diagnosticar corretamente esse tipo de infecção. Como os pesquisadores observaram no estudo de caso, ainda há muito a aprender sobre o modo e as razões dessas infecções, como a influência do sistema imunológico comprometido, fatores ambientais e genética. Enquanto isso, os cientistas recomendam que os médicos realizem testes de ameba em casos de feridas nasais e lesões cerebrais.

É importante ressaltar que os cientistas disseram que não devemos desistir dos potes neti, pois os dispositivos são uma boa maneira de obter alívio nasal. Se lavarmos os recipientes adequadamente e usarmos água fervida ou salgada, devemos estar livres deste tipo de problema.


Tópicos
Compartilhe
Google Whatsapp

veja também

Recomendamos

Localização

Definir a localização padrão

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Fique por dentro

Receba notícias quentinhas diretamente no seu whatsapp

Continuar

Falta pouco, agora escolha as categorias que deseja receber notícias

Aperte (ctrl + clique) para selecionar vários
Pronto!

Agora você passará a receber novidades diretamente no seu whatsapp.

Termos de uso

Texto

Política de privacidade

Texto

×