Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore

Mãe é criticada por amamentar filha até quase 10 anos

Apesar das críticas, ela não hesitou em continuar amamentando a filha.

Mãe é criticada por amamentar filha até quase 10 anos
|
Compartilhe

A norte-americana Sharon Spink, 50 anos, é protagonista de um surpreendente caso de amamentação prolongada: ela conseguiu amamentar sua filha Charlotte por nove anos e nove meses. No entanto, essa jornada não foi fácil. Ao site “Practical Parenting”, ela conta que foi muito criticada ao longo desses anos por ainda amamentar a filha.

Sharon conta já havia tentado a amamentação prolongada com seus outros três filhos, mas não deu certo. "Amamentei meus dois primeiros filhos por algumas semanas e a Isabel por cerca de seis meses, mas tive problemas e senti falta de apoio. Quando Isabel tinha quatro meses, ela emagreceu e eu tive que suplementar com fórmula. Por isso, eu estava determinada a amamentar Charlotte até quando ela quisesse”, diz. E isso durou quase 10 anos. 

Reprodução/ Facebook

“É bom para a criança controlar quando ela quer desmamar, em vez de forçar o problema. Ela naturalmente se desmamou no início deste ano. Foi um processo gradual e a escolha foi dela. Charlotte ainda mamava uma vez por mês ou quando não se sentia bem. Agora ela não faz mais isso", fala a mãe.

Detalhes da amamentação prolongada Reprodução/Facebook Mãe defende que a amamentação prolongada estreitou os laços com a filha e proporcionou uma série de benefícios à saúde

O objetivo inicial de Sharon era ultrapassar a marca de dois anos, recomendada pela Organização Mundial da Saúde, sendo os seis primeiros meses de aleitamento exclusivo e até os dois anos ou mais de forma complementar. No entanto, Charlotte foi longe.

“Quando ela tinha quatro anos e já dormia a noite toda no quarto dela, eu nem percebia quando vinha mamar na minha cama. Eu acordava e sempre perguntava se ela tinha mamado e a resposta era sim", relata a mãe.

Reprodução/ Facebook

Aos cinco anos de idade, Charlotte mamava cerca de três vezes por dia. Essa frequência foi diminuindo gradualmente até ficar apenas uma vez por mês. A mãe ainda fala que a partir dessa idade, parou de amamentar a filha em locais públicos e a orientou a não falar sobre isso com as pessoas por conta dos comentários negativos que recebia. De acordo com Sharon, as poucas pessoas que a apoiavam eram mães engajadas na causa da amamentação.

Apesar das críticas, ela não hesitou em continuar amamentando a filha. "O desmame natural e progressivo foi o que idealizei para nós. Eu espero, quando ela for mais velha, que se lembre de todo sentimento de conforto e segurança. O peito era uma segurança para Charlotte. As crianças acham muito conforto no seio, e quanto mais elas envelhecem, mais precisam deste conforto muito mais do que nutrição."

Além do vínculo afetivo que a amamentação proporcionou, Sharon reconhece os benefícios para o sistema imunológico da filha.  "Charlotte é muito saudável e raramente fica doente devido aos benefícios do meu leite. Ela não teve nenhuma infecção no ouvido, tosse ou resfriado por um longo tempo.”

Sharon finaliza dizendo que a amamentação prolongada é muito mais comum do que se imagina e encoraja as outras mães a fazerem o mesmo. “Eu só quero dizer para as mães que estão se perguntando 'devo ou não devo?' que isso é normal e faz bem para as crianças. Sinto que meu corpo fez o que deveria ser feito. Temos que apoiar as mães sobre suas escolhas.”


Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar