mais

Para evitar multa contratual, mulher promove festa de “descasamento”

O valor cobrado será de R$ 200 e assim poder ajudar a custear o que já foi comprometido com o evento.

Mesmo com a festa de casamento marcada, Kallynca Carvalho, 29 anos, terminou um relacionamento de 13 anos. No entanto, como havia assinado contrato com a empresa de eventos para a ocasião e não querendo pagar a multa de rescisão, ela decidiu fazer uma festa de “descasamento” e assim de fugir do problema.

Ela trabalha como servidora pública e mora em Curitiba. Kallynca relata que até tentou cancelar o evento, todavia, o valor cobrado pela rescisão dos compromissos a fez repensar na ideia. A princípio, o plano é mudar a celebração de casamento em uma festa à fantasia com convites à venda para o público.

Para evitar um gasto maior com quebra de contrato, ex-noiva quer transfomar festa de casamento em festa a fantasia. (Foto: Arquivo Pessoal)Para evitar um gasto maior com quebra de contrato, ex-noiva quer transfomar festa de casamento em festa a fantasia. (Foto: Arquivo Pessoal)

O valor cobrado será de R$ 200 e assim poder ajudar a custear o que já foi comprometido com o evento.

A ex-noiva não chegou a revelar o valor o prejuízo total, no entanto falou que a multa seria de 40% sobre o valor todo, bem como ter que gastar com “despesas, honorários de profissionais, além das taxas de administração, lucros cessantes, perdas e danos, custos e gastos já firmados”.

Leia Mais

O fato é que há sete meses para o casamento, o noivado chegou ao fim e a festa aconteceria no próximo dia 21. Ao todo, cerca de 200 pessoas foram convidadas para a grande festa que não vai acontecer e seria realizada em um salão estilizado como um castelo, na cidade de Colombo, na Grande Curitiba.

Mas por que as mulheres pedem mais divorcio que os homens

A decisão de por fim a um casamento é muitas vezes difícil. Os casais podem passar meses, ou até anos, examinando a alma antes de desistir e tomar esse passo importante . Mas quando se trata de iniciar uma divisão, há um padrão bastante claro em quem toma a decisão final. O fato é que nos relacionamentos heterossexuais ocidentais, as mulheres catalisam uma enorme proporção de divórcios.

Nos Estados Unidos, por exemplo, onde o divórcio sem culpa é considerado legal em todos os 50 estados, algumas estimativas colocam o número em 70%; mas isso isso aumenta para impressionantes 90% quando as mulheres são educadas na faculdade. Já no Reino Unido, as estatísticas do ONS revelam que as mulheres solicitaram 62% dos divórcios na Inglaterra e no País de Gales no ano de 2019.

Hoje, em alguns países ocidentais, o divórcio vem se tornando mais fácil; o Reino Unido, por exemplo, recentemente chegou a legalizar divórcios sem culpa. Isso significa dizer que os casais agora têm um caminho mais rápido e direto para terminar o compromisso. Tal mudança nas regras pode abrir a porta para ainda mais mulheres – que podem ter hesitado anteriormente – pedir o divórcio do companheiro ou companheira.

Por que, no entanto, as mulheres estão escolhendo desproporcionalmente o divórcio em primeiro lugar? 

O fato é que para alguns, a resposta está em como os parceiros satisfazem – ou não – suas necessidades emocionais no casamento. Mesmo assim, para outros, as coisas são mais complicadas – e pode ter mais nuances nessas estatísticas do que parece.

Na maioria das sociedades, o divórcio tem sido um fenômeno relativamente recente.

No Reino Unido, o divórcio era extremamente incomum antes de 1914, com apenas um divórcio em cada 450 casamentos na primeira década do século 20. Agora, mais de 100.000 casais no Reino Unido se divorciam todos os anos e, nos EUA, cerca de metade dos casamentos termina em divórcio.

Como explica Heidi Kar, psicóloga e especialista em violência doméstica do Centro de Desenvolvimento da Educação, com sede nos Estados Unidos, não é coincidência que a ascensão do divórcio tenha coincidido com a libertação das mulheres.

“Como a independência econômica é um imperativo antes que uma mulher possa tentar deixar um casamento, seja sozinha ou com filhos para sustentar, é extremamente difícil para as mulheres deixarem um casamento a menos que tenham alguma maneira de ganhar dinheiro por conta própria”, diz ela. “Além disso, como os papéis de gênero se tornam mais complicados à medida que as mulheres começam a ganhar independência financeira , mais conflitos conjugais surgem naturalmente.”

Em outras palavras, a entrada das mulheres no mercado de trabalho permitiu que elas deixassem pela primeira vez casamentos infelizes – elas não eram mais obrigadas financeiramente a permanecer em parcerias ou relacionamentos abusivos onde suas necessidades não estavam sendo atendidas, e as mulheres começaram assim a iniciar divórcios em maior escala. escala.

Com informações bbc.com

Tópicos

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Desbloquear Notificações

Como desbloquear notificações

Na barra de endereço, clique no cadeado e em Notificações escolha a opção permitir, como na imagem abaixo

desbloqueio de notificação push

Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail