Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Peixe gigante raríssimo de mais de 3 metros é achado em praia de SP

Agulhão-negro foi localizado em praia de Itanhaém (SP) e recolhido por pesquisadores do Instituto Biopesca.

Compartilhe
Google Whatsapp

Um agulhão-negro de nada menos que 3,6 metros de comprimento e 202 kg foi achado, infelizmente, já sem vida na faixa de areia de Itanhaém, no litoral paulista. O peixe, cujo aparecimento na costa é considerado raro por especialistas, foi recolhido e submetido à análise para determinar as causas da morte. As informações são da G1.

O instituto informou que o professor e biólogo Teodoro Vaske Junior, da Universidade Estadual de São Paulo (Unesp), considerou "rara" a ocorrência. Ainda de conforme ele, trata-se do primeiro animal da espécie encontrado encalhado em uma praia da região.

O peixe foi localizado durante o monitoramento feito em praias do litoral sul por equipes do Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS). Uma vez encontrado já sem vida, o peixe foi recolhido e levado à Unidade de Estabilização do Instituto Biopesca, em Praia Grande.

Juarez Cabral/Instituto Biopesca

“É uma espécie oceânica de águas quentes, e que tem um bico mais curto do que as demais espécies de agulhões”, explicou ao instituto. O agulhão-negro alimenta-se de outros peixes e lulas e pode passar dos 600 kg. Ainda não se pode definir o que o fez chegar à praia.

Junto com equipes de biólogos do instituto, o animal foi avaliado e teve amostrar recolhidas, que serão analisadas para identificar a causa da morte. De acordo com o biólogo Márcio Ohkawara, do Biopesca, nestes casos, é preciso cautela e evitar o consumo de peixes encontrados neste estado. “Assim como a maioria dos peixes oceânicos, ele também está no radar de pesca predatória, e oferece riscos a quem o consome, principalmente em caso de encalhe, já que não se pode saber o que levou o animal à morte”.

Fotos:

Juarez Cabral/Instituto Biopesca

Juarez Cabral/Instituto Biopesca

Juarez Cabral/Instituto Biopesca



Tópicos
Compartilhe
Google Whatsapp

veja também

Recomendamos

Localização

Definir a localização padrão

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Fique por dentro

Receba notícias quentinhas diretamente no seu whatsapp

Continuar

Falta pouco, agora escolha as categorias que deseja receber notícias

Aperte (ctrl + clique) para selecionar vários
Pronto!

Agora você passará a receber novidades diretamente no seu whatsapp.

Termos de uso

Texto

Política de privacidade

Texto

×