Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Professora viraliza gravando aula em casa com ajuda de saco de feijão

Maria Aparecida da Silva leciona há 40 anos e agora enfrenta dificuldade com ferramenttas técnológicas durante a pandemia de coronavírus

Compartilhe

Em home office, profissionais tem apostado na “inovação caseira”. Uma cena inusitada chamou atenção de quase 80 mil pessoas no Twitter. Uma professora em casa tenta equilibrar um bastão de selfie com seu celular, com ajuda de um saco de feijão e uma caixa de leite. Em tempos de pandemia, Maria Aparecida da Silva Biggon, ou Cida como é conhecida, é uma das educadoras que nunca tiveram afinidade com recursos tecnológicos, mas está precisando se reinventar para continuar dando aulas.

Publicação viralizou nas redes sociais, com quase 80 mil curtidas Foto: Reprodução 

Cida tem 59 anos e passou 40 deles em salas de aula. Ela lá passou pelo ensino primário, e hoje leciona português e espanhol para alunos de 11 a 14 anos de duas escolas particulares de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. Afastada fisicamente das escolas, ela utiliza o seu próprio celular para gravar vídeos com os conteúdos e conta com a ajuda da filha e coordenadores das escolas.

Uma das primeiras turmas de Cida, em dezembro de 1982 Foto: Reprodução 

"Eu sei dar aula, faço isso há quatro décadas, mas nessa situação é como se eu tivesse me formado ontem. Eu já usava celular, mas confesso que o computador pra mim sempre foi uma ferramenta que me causa bastante dificuldade. Coisas simples eu tentava fazer, mas coisas mais complexas meus filhos me ajudavam. Quando eu me vi precisando dar aula online foi um susto, tudo é muito complicado pra mim", disse.

Antes da pandemia, Cida só usava Cida só usava o WhatsApp para enviar e receber mensagens e raramente entrava no Facebook para ver fotos. O Inatagram, uma das maiores redes sociais do mundo, ela não acessa. Ela conta também não saber usar recursos do computador, como o Power Point.

Cida utilizou um bastão de selfie, um saco de feijão e uma caixa de leite Foto: Reprodução 

A imagem que viralizou nas redes sociais foi um flagra da filha, que achou a situação engraçada. Cida estava sentada na mesa, tentando gravar uma folha de papel com a matéria da aula. O genro ajudou a ajustar o foco e a iluminação para que o pacote de feijão e a caixa de leite que ajudaram no apoio não aparecesse nas imagens.

"Essas dificuldades me causam até ansiedade, dor no estômago, porque é algo muito novo pra mim. Quando não temos domínio para fazer certas coisas, gera total insegurança e nervosismo. Tá sendo um período difícil, uma pedrada, mas posso dizer que quando isso tudo passar vou levar esse momento duro como um aprendizado para a vida", declarou.

Armário virou quadro branco para dar aula em casa Foto: Reproduçao 

Uma das escolas que Cida dá aulas oferece a possibilidade de gravar as aulas com os professores, presencialmente. Na outra, os educadores precisam utilizar as ferramentas que têm em casa para produzir o conteúdo necessário para os alunos. A professora lembrou que, como ela, nem todos possuem aparelhos com os recursos necessários para essas atividades. Nesse cenário, a criatividade é fundamental: sem um quadro branco, a professora utilizou a porta de um armário branco para ensinar gramática aos alunos.

Outra novidade para a educadora foram palavras que, até então, estavam muito distantes do vocabulário cotidiano dela. Situações e ações como "rolar o chat", "o microfone bugou" e "a internet caiu" são as novas barreiras do processo aprendizagem, intrínsecas às ferramentas da educação a distância.

"Isso vai mudar minha vida, fico pensando quanto tempo eu perdi de não ter investido em mais conhecimento tecnológico. Pensava que como já estava próxima da aposentadoria, não faria tanta diferença na minha vida profissional mas agora é assim ou nada. Se alguém me falasse há um ano que estaria gravando aulas por vídeo, não acreditaria".

Cida ainda afirmou que alguns pais ainda não compreendem a dificuldade do professor para preparar as aulas. Segundo a educadora, muitos acham que estão fazendo pouco ou mal feito, mas lembra que esse novo processo trouxe dificuldades extras. Apesar disso, ela agradeceu todo o apoio das escolas e as dicas que recebe dos alunos nas aulas.




Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar