Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore

Quanto tempo vamos esperar para uma vacina contra o coronavírus? Saiba

A comunidade científica está em uma verdadeira corrida contra o calendário para fazer o mundo voltar ao normal

Compartilhe

Com os resultados positivos de uma vacina contra o coronavírus sendo divulgados pela empresa norte-americana de biotecnologia Moderna e os avanços de um grupo de cientistas de Oxford, na Inglaterra, a perspectiva de uma imunização contra o novo vírus parece cada dia mais próxima – e só com ela a vida poderá voltar a ser como antes. Apesar das últimas notícias serem promissoras, ainda vai demorar um pouco para que uma vacina segura e eficaz seja desenvolvida, produzida e distribuída em larga escala. As informações são do Metrópoles.

A proposta americana, por exemplo, apresentou bons resultados em oito voluntários: eles desenvolveram anticorpos semelhantes aos de pessoas que foram infectadas e estão curadas da doença. Agora, é necessário saber se, em contato com o Sars-CoV-2, o corpo apresentará a mesma eficiência, tornando-se imune ao vírus. Esse contágio, entretanto, precisa acontecer de maneira aleatória, estudos nos quais o contaminação é proposital não são autorizados em protocolos de pesquisa.

Agora, a vacina da Moderna será administrada para outras 600 pessoas e, em uma etapa seguinte, programada para julho, será testada em milhares de voluntários.

Já a imunização desenvolvida pela equipe de Oxford está mais avançada. Cerca de 1,1 mil pessoas estão participando dos testes e os primeiros resultados devem ser apresentados em agosto. O esperado é que os voluntários sejam contaminados pelo coronavírus naturalmente e que consigam reagir a ele com os anticorpos desenvolvidos após terem sido imunizados. Se, de fato, funcionar, a vacina estaria pronta ainda em setembro.

Expectativa X Realidade
Cumprida a fase de testes, é necessário que a vacina seja aprovada no órgão competente de seu país de origem e o laboratório responsável seja capaz de produzi-la em larga escala. Como a população mundial inteira precisa ser protegida, e é complicado ter um sistema capaz de produzir bilhões de imunizações, provavelmente os grupos de risco terão prioridade na distribuição (como é feito com a vacina da gripe, por exemplo).

Para que a imunização chegue ao Brasil, o Ministério da Saúde deve se movimentar para garantir o acesso aos brasileiros. O agora ex-ministro da Saúde Nelson Teich disse, em coletiva durante seu mandato, que o governo já estava em contato com laboratórios internacionais para colocar o país na fila.

Mas, como o Brasil não entrou no fundo de vacinas criado pela União Europeia para fomentar o desenvolvimento de pesquisas, não é garantido que tenhamos prioridade.No Twitter, o microbiologista Átila Iamarino, que se tornou uma das principais vozes da ciência sobre o coronavírus no Brasil, afirma que a decisão de ficar fora do grupo pode custar caro ao país.


Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar