SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS)

Uma jovem de 29 anos abdica de uma herança de cerca de 4,2 bilhões de euros (quase  R$ 22 bilhões, ao câmbio de hoje) porque não quer ser muito rica.

A austríaca, que é estudante de Literatura, Marlene Engelhorn é descendente dos fundadores da empresa Basf, que em 2021 teve uma receita de 78 bilhões de euros. Desde o ano passado, ela tem recebido destaque na mídia europeia por rejeitar 90% do patrimônio a que tem direito, segundo o jornal espanhol La Vanguardia.

Marlene Engelhorn, 29 anos, herdeira do império químico alemão Basf (Millionaire for Humanity/Exame) Marlene Engelhorn, 29 anos, herdeira do império químico alemão Basf (Millionaire for Humanity/Exame) 

Isso porque ela integra um movimento formado por herdeiros de grandes fortunas que defende uma maior redistribuição de riqueza e o aumento de impostos para milionários, o Taxmenow ("taxe-me já", em inglês).

"Como alguém que desfrutou dos benefícios da riqueza durante toda a minha vida, sei como nossa economia está distorcida e não posso ficar sentada esperando por alguém, em algum lugar para fazer algo", disse ela à BBC durante um protesto no Fórum Econômico Mundial, em Davos, em maio deste ano.

A avó de Marlene, Traudl Engelhorn, hoje ocupa a posição 687 no ranking das pessoas mais ricas do mundo, da revista Forbes. Em entrevistas, a jovem não se esquiva do rótulo de "menina rica". Ela reconhece que, por ter nascido em uma família de posses, teve facilidades que nem todos podem ter.

Contudo, Marlene Engelhorn considera que ninguém deve acumular grandes quantias de dinheiro enquanto houver desigualdade evidente na sociedade. 

A estudante defende que não precisa de tanto dinheiro e segundo ela, não saberia o que fazer com isso, e dinheiro demais só traz tensão, problemas e mal-entendidos. “Eu não poderia estar feliz. Não é uma questão de vontade, mas de justiça. Não fiz nada para merecer esta herança. Isso é pura sorte na loteria do nascer e pura coincidência”, defende.