Sexo oral aumenta casos de doença na garganta

Gonorreia de faringe está virando epidemia

A prática do sexo oral sem preservativo pode gerar diversas Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST’s), como Aids e sífilis. Porém o que tem chamado a atenção é o aumento dos casos de gonorreia de faringe, que está virando epidemia e é transmitida por sexo oral e resistente a antibióticos. 



A Organização Mundial de Saúde estima que há entre 700 mil e 1 milhão de brasileiros infectados com gonorreia. Nos Estados Unidos, ela é a segunda doença contagiosa mais comum. 

“Estamos presenciando um aumento das DST’s, principalmente da gonorreia, sífilis e Aids. Está havendo uma exposição do sexo sem proteção, principalmente entre jovens e nas relações de homem com homem. Apesar de as pessoas acharem que sem penetração é seguro, o risco de contaminação pela boca existe. Não dá para abrir mão do preservativo”, alerta Lauro Ferreira Pinto, infectologista e professor da Emescam.

 
Causada pela bactéria gonococo, a gonorreia é transmitida principalmente pelo ato sexual. São raros os casos de contaminação por artigos de higiene íntima ou vasos sanitários. A gonorreia de faringe é transmitida pelo sexo oral, feito tanto na vagina como no pênis. 

O infectologista Luis Henrique Barbosa Borges, da Unimed Vitória, explica que esse tipo de gonorreia é grave e evolui com a infecção da amigdalite. “Os sintomas são inchaço e dor na garganta, febre alta e dificuldades para engolir a saliva. Quando grave, pode comprometer outras áreas do corpo, como as articulações”, explica o médico.

Bactéria

A bactéria que migrou para a garganta já não é uma bactéria comum. Ela resiste a boa parte dos antibióticos disponíveis. Até a década de 1980, a gonorreia era curada com penicilina. Num rápido processo de evolução, a bactéria tornou-se resistente a esse tipo de medicamento. Os médicos começaram a usar a quinolona, uma nova classe dos antibióticos. 

A parte posterior da boca, quente e úmida, é o ambiente propício para a bactéria. “A boca é uma mucosa que não tem proteção, e as bactérias têm capacidade de invasão”, explica Barbosa. 

Saiba mais sobre a doença

O que é?
Causada pela bactéria gonococo, a gonorreia é transmitida principalmente pelo ato sexual. São raros os casos de contaminação por artigos de higiene íntima ou vasos sanitários. No caso da gonorreia de faringe,  a  contaminação acontece através do sexo oral sem preservativo

Bactéria
A bactéria que migrou para a garganta já não é uma bactéria comum. Ela resiste a boa parte dos antibióticos disponíveis. Até a década de 1980, a gonorreia era curada com o remédio  penicilina. Num rápido processo de evolução, a bactéria tornou-se resistente a esse tipo de medicamento.  Os médicos começaram a usar a quinolona, uma nova classe dos antibióticos 

Sexo oral
A parte posterior da boca, quente e úmida, é o ambiente propício para a bactéria. Por isso é fundamental usar preservativo na hora do sexo oral, feito tanto no pênis como na vagina

Sintomas
Os sintomas são de uma inflamação normal – dor, vermelhidão e pus na garganta. Na maioria das vezes, o paciente nem desconfia da doença e é tratado com uma faringite corriqueira. Assim, continua contaminado e transmitindo a bactéria a outras pessoas

Homens
Os homens têm menos chance de serem contaminados no sexo oral. Isso porque a bactéria não gosta de colonizar a parte mais externa da boca (gengiva, língua ou bochecha), uma vez que a saliva tem enzimas que destroem a gonococo

Mulheres

As mulheres (e homens que fazem sexo oral em homens) convivem com um perigo muito maior ao levar a extremidade do pênis até o fundo da boca – ou mesmo até a garganta. A parte posterior da boca, quente é úmida, é o ambiente propício para a bactéria

Tratamento
Diagnosticada, é preciso tratar também os parceiros sexuais com uma dose única de antibiótico 

Dados
A Organização Mundial de Saúde estima que há entre 700 mil e 1 milhão de brasileiros infectados com gonorreia

Fonte: A Gazeta