Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore

Veja famosas que eram símbolo sexual e se dedicam à religião atualmente

Recatadas, trocaram as capas das revistas masculinas pelas orações

Veja famosas que eram símbolo sexual e se dedicam à religião atualmente
Veja famosas que eram símbolo sexual e se dedicam à religião atualmente | Divulgação
Compartilhe

Símbolos sexuais no início da carreira, elas povoaram a imaginação de homens de todo o País com seus minúsculos biquínis, ensaios provocantes e danças sensuais. A luxúria, porém, deu lugar à devoção. Foi na religião que elas encontraram conforto para problemas que variam de traições ao uso de drogas.

Recatadas, trocaram as capas das revistas masculinas pelas orações e agora dedicam-se a atividades que em nada lembram os tempos de muito rebolado e pouca roupa.

Confira algumas das ex-musas que trocaram a exposição por um estilo de vida mais discreto.

Carla Perez

Foi em 1995, ao som do hit Segura o Tchan, do então Gera Samba, que a baiana inaugurou uma fase de dançarinas em figurinos diminutos.

Neste mesmo ano, Carla posou nua pela primeira vez para a revista Playboy. Ela repetiria a dose ainda em duas outras edições, em 1998 e 2000, além de fazer um pôster em 2001.

Atualmente, a ex-dançarina, que é casada com o cantor Xanddy e tem dois filhos, freqüenta a Comunidade Evangélica Artistas de Cristo e se diz arrependida dos ensaios sensuais e de ter dançado no grupo musical que a lançou.

"Depois que passei a servir Jesus, tive certeza de que não queria mais fazer o trabalho que fiz no Tchan. Não posso cuspir no prato que comi, fiz amigos, ganhei muito dinheiro, mas era uma criança sem maldade. Agora estudo e sei o que quero para mim", afirmou.

Após sua estréia teatral, em maio, Carla passou a renegar também o filme Cinderela Baiana, em que contracenava com o então namorado, o cantor Alexandre Pires.

"Passa uma borracha na minha atuação no filme. Lá eu entrei só como a loira do Tchan", pediu, envergonhada.

Joana Prado

Objeto de desejo de diversos marmanjos nos anos 90, a ex-modelo ficou famosa ao interpretar a personagem Feiticeira no extinto programa H, comandado por Luciano Huck na Band.

Após posar duas vezes para a Playboy, Joana participou do reality show Casa dos Artistas, onde protagonizou cenas quentes com o agora marido, o lutador Vitor Belfort.

"Fiz porque o personagem pedia. Não tinha porque recusar. Pensei muito, me preparei e acho que fiz na hora certa", afirmou.

Na seqüência, Joana tornou-se evangélica e deixou a vida artística para dedicar-se ao marido e dois filhos. Recentemente, fez um apelo em seu blog para que as mulheres se valorizem e "não confundam liberdade com libertinagem".

"Mulheres, nós temos sim que lutar pelos nossos direitos, mas calma! Não vamos usar nossa liberdade para sermos libertinas!", escreveu.

Mara Maravilha

A baiana Eliemary Silva da Silveira - ou Mara Maravilha - fez sucesso na década de 80 no comando de programas infantis e estreou em rede nacional com apenas 15 anos.

Em 1990, foi capa da revista Playboy com fotos consideradas ousadas para a época e durante cerca de cinco anos foi viciada em remédios para emagrecer, que a levaram à depressão.

Após "uma série de Jesuscidências" - termo usado por ela para designar coincidências que a levaram à conversão - Mara tornou-se evangélica e afirmou ter se arrependido profundamente de ter exposto seu corpo, "uma dádiva do Senhor".

"Não foi nada fácil, ainda mais porque o pastor disse que eu teria de ir vestida em pano de saco, que teria de me humilhar embaixo da mão potente de Deus. Mesmo sem vontade e sendo uma artista famosa, fui, porque era isso que Deus queria de mim. Naquela mesma semana, minha vida começou a mudar radicalmente. Eu me libertei da tristeza, alcancei a cura dos meus problemas físicos e continuo mudando até hoje", contou.

Desde então, Mara tem se dedicado à carreira de cantora gospel e negocia sua volta para o SBT, onde deverá apresentar um programa para a família.

Symony

Sucesso com o público infantil na era pré-Xuxa, a cantora Symony foge um pouco à regra da exposição-conversão-discrição.

A paulista ingressou na carreira artística ainda criança, como uma das apresentadoras do programa Balão Mágico e chegou a vender 10 milhões de cópias com cinco álbuns lançados pelo gru


Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar