Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Conheça a história do dublê que saiu das favelas para a telona

O dublê e ator Bruno Santana é um desses exemplos de dedicação e empenho

Compartilhe


Muita habilidade, garra, força e superação são características primordiais para enfrentar os desafios diários da carreira de quem quer seguir a carreira artística.

O dublê e ator Bruno Santana é um desses exemplos de dedicação e empenho. Formado em teatro, pratica esportes e atua desde criança e foi na adolescência que deu seus primeiros passos na dança de rua.

Logo cedo na contramão dos outros jovens, dividia seu tempo entre frequentar aulas na Casa de Hip Hop de Diadema e se dedicar a atividades físicas, artes marciais, acrobacias e até mesmo parkour. Nascido em 1989 em uma comunidade carente do Jaguaré localizada na Zona Oeste da cidade de São Paulo, ingressou profissionalmente na carreira artística gravando um comercial para a televisão com participação da atriz Julia Gam. O contato com as câmeras despertaram em Bruno o interesse em ser ator e, a partir daí, decidiu fazer cursos de teatro e aperfeiçoamento profissional.

Na capital paulistana realizou diversos entre eles de cinema e tv e chegou a gravar algumas campanhas publicitárias. Mas em 2012 decidiu ir para o Rio de Janeiro tentar a sorte, acreditando que a cidade maravilhosa lhe proporcionaria melhores oportunidades na televisão e na telona.

Na bagagem carregava o sonho de fazer cinema e ao desembarcar em solo carioca, o paulista teve a oportunidade de ingressar em uma das mais conceituadas escolas de teatro da cidade, o ‘Instituto Nossa Senhora do Teatro’. Esse curso abriu muitas oportunidades profissionais e no ano seguinte começou a participar de um grupo de estudos teatral coordenado por Camila Amado, uma das maiores de atrizes do teatro brasileiro.

Nesse mesmo ano foi convidado para atuar no curta-metragem ‘O olhar’, de Sandra Lima e Tiago Medeiros, filme de alta sensibilidade, que aborda o racismo no Brasil .

Nesse meio tempo dividiu suas atividades entre Rio e São Paulo e na TV Record gravou uma participação no programa ‘Tudo é Possível’, apresentado por Ana Hickmann. Na ocasião fez papel de um dos músicos da "Turma do Pagode", encenando momentos da carreira dos integrantes antes da fama.

Realizou algumas participações para a emissora carioca como o programa "Na Moral", com Pedro Bial, atuando em um clipe com o humorista Marcelo Adnet e aparições nas novelas "Saramandaia" e "Gabriela".

No teatro, Bruno fez a peça ‘Inquietude’ e participou de uma das cinco montagens feitas no Brasil do espetáculo teatral contemporâneo "Valere Novarina".

Atuou também em ‘Procura-se gentileza’, peça sobre a vida do profeta de rua Gentileza, figura folclórica do imaginário carioca que se dedicava a escrever mensagens de amor, fé e esperança em pilastras espalhadas pela cidade.

Ainda no teatro, peças como "Graves Encontros", de Ricardo Andrade Vassíllievitch, "Beijo no asfalto" e no monólogo de "Maria Stuart .

Atualmente é sócio e coordenador de ação do Centro de Treinamento Tático Dublês e Atores . A ideia de criar a empresa partiu do ator, diretor e dançarino Bruno Santana, diretor artístico da Dublês & Atores. Bruno é o que pode se chamar de um verdadeiro descobridor de talentos. Nascido e criado em São Paulo, ele passou boa parte da vida na capital paulista, onde iniciou a carreira artística, ainda criança. Aos 17 anos, migrou para Rio de Janeiro em busca de realizar seu sonho como ator, e ampliar horizontes. Agora, mais maduro profissionalmente, de volta a sua cidade natal, Bruno quer compartilhar conhecimentos adquiridos ao longo de pouco mais de 20 anos de carreira.

"Algumas conversas com produtores de elenco de tv e cinema me mostraram que, embora este mercado de atores com habilidades extras seja muito rentável, não há uma preparação adequada e boa oferta de cursos de qualidade. Nessa lacuna é que surgiu a ideia de criarmos a agência" conta o diretor, revelando que a diária de um dublê gira, em média, em torno de R$ 2.000, porém não haveria muitos dublês/atores disponíveis.

"Não é fácil, é um mercado demasiadamente competitivo… Mas temos muitos contatos e batalhamos diariamente para treinar e lançar esses novos talentos, direcionando a carreira dos nossos contratados em bons projetos e oportunidades para TV, Teatro, Cinema ou mesmo no Mercado Publicitário."


Tópicos
Compartilhe

veja também

Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar