Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Criador da corrida São Silvestre ganha biografia

Dácio Nitrini lança Cásper Líbero, jornalista que fez escola

Criador da corrida São Silvestre ganha biografia
Capa do livro | Divulgação
Compartilhe
Google Whatsapp

Cásper Líbero, jornalista que fez escola é mais do que uma biografia de um importante e controverso protagonista da imprensa e da história brasileira. É um retrato do cenário político, econômico e cultural do país nas primeiras cinco décadas do século 20 que ajuda a entender os conturbados dias atuais. A obra do jornalista Dácio Nitrini, será lançada em 5 de dezembro na Livraria da Vila do Shopping Pátio Higienópolis, pela editora Terceiro Nome, em formato impresso e digital.

O autor realizou pesquisas em antigas publicações na Biblioteca Nacional, no Arquivo Público do Estado e em livros de memórias de contemporâneos de Cásper Líbero garimpados em sebos. Trata-se de criterioso trabalho de reconstituição de um personagem que tem nome muito famoso mas vida desconhecida. O livro de Nitrini revela a curiosa trajetória de Cásper reproduzindo páginas de jornais da época, documentos e fotografias sobre a vida do empresário que começou a carreira como repórter policial em 1910 e apenas oito anos depois comprou o jornal pré-falido no qual trabalhava.

Um dos fatos inusitados é a estratégia de Cásper Líbero em realizar a primeira transmissão ao vivo de futebol durante o Campeonato Sul-Americano em 1922. O visionário Cásper providenciou a instalação de "cornetas", no alto do prédio de seu jornal, A Gazeta, situado na rua Líbero Badaró, em São Paulo, que ficava rodeado pela multidão interessada pelo jogo. Os equipamentos reverberavam o jogo lance a lance, narrado por telefone do Rio de Janeiro, com a "locução" de Leopoldo Sant´Anna. Talentoso criador de eventos de marketing, sempre em busca de maior tiragem da Gazeta, foi também Cásper Líbero quem criou uma das mais tradicionais corridas de rua do país - a Corrida Internacional de São Silvestre. Em 1925, foram 62 atletas inscritos. Este ano, a competição receberá nada menos que 35 mil inscrições de atletas de várias partes do mundo.

Amor, política e legado

O livro também traz relatos sobre sua companheira, a francesa Marguerite Augustine Leboucher, com quem viveu por 18 anos. Separada de seu marido, o economista Eugenio Gudin Filho, a misteriosa Maggy e Cásper se conheceram no período em que Cásper foi nomeado diretor da primeira sucursal do Estado no Rio de Janeiro.

No cenário político, o leitor poderá viajar, por exemplo, pelos meandros da Revolução Constitucionalista de 1932, na qual o jornalista e empresário foi um dos líderes. Na ocasião, Cásper desafiou a censura ao publicar em destaque na Gazeta a íntegra do poema "Minha Terra, Minha Pobre Terra", de Ibrahim Nobre. No entanto, seu pragmatismo para manter a Gazeta o levou a aderir a Getúlio Vargas, o antigo adversário.

Cásper foi um modernizador não só da estrutura gráfica e técnica como do conteúdo editorial e do estilo de redação das notícias. Ao morrer, em 1943, em um desastre de avião, novamente surpreende a todos: em testamento, deixa seus recursos para a criação de uma fundação - a Fundação Cásper Líbero - que deveria instalar a primeira escola de jornalismo do Brasil, além de manter sua rádio e seu jornal e remunerar os principais funcionários com o lucro do empreendimento.

Dácio Nitrini explica porque resolveu escrever sobre Cásper. "Decidi escrever a biografia quando era diretor de jornalismo da TV Gazeta. Fiz um trabalho pessoal, independente da Fundação Cásper Líbero, ao perceber que havia, mesmo entre alunos e professores da faculdade de jornalismo, pouquíssimo conhecimento sobre o homem que havia deixado sua fortuna para manter aquela estrutura, criar a primeira escola de jornalismo brasileira, lançar a Corrida de São Silvestre, tornar poderoso o jornal A Gazeta, que meu pai lia diariamente na década de 50, etc. Ele é sempre apresentado como herói da Revolução Constitucionalista de 32, seus despojos estão no Obelisco do Ibirapuera. O livro mostra que foi bem além, inclusive tornando-se forte aliado do ditador Getúlio Vargas, seu tradicional adversário."

"Com a biografia de Cásper Líbero, a Terceiro Nome avança no seu trabalho com temas que resgatam a nossa história. Neste final de ano, além do livro de Dácio Nitrini, uma obra de jornalismo e política, também estamos lançando o livro Irredutivelmente liberal - política e cultura na trajetória de Júlio de Mesquita Filho, de Roberto Salone, sobre o diretor do Estadão que foi contemporâneo de Cásper. O país está querendo redescobrir o seu passado, em busca de um futuro melhor", afirma Mary Lou Paris, editora da Terceiro Nome.

Sobre o autor:

Dácio Nitrini é paulistano. Nasceu em 1951. Entrou para o jornalismo no início dos anos 70, período de dura censura exercida pela ditadura civil-militar. Nessa época atuava na imprensa alternativa, em jornais como Extra Realidade Brasileira, O Grilo e EX-. Foi repórter do semanário Aqui São Paulo, último jornal pertencente a Samuel Wainer. Em seguida trabalhou no Estadão, como repórter de Geral, destacado para cobrir o renascente movimento estudantil na fase inicial da abertura política. Cobriu a histórica invasão da PUC-SP pelas forças policiais. Na Rádio Globo, atuou como repórter e produtor do programa SP Zero Hora, dirigido por Goulart de Andrade, de onde se transferiu para o Globo Repórter, sendo repórter-editor de documentários. De volta à imprensa escrita, de 1980 a 1988, na Folha de S. Paulo exerceu as funções de repórter especial, editor de Cidades, secretário de redação, chefe da Agência Folhas. Participou da chefia das coberturas da campanha Diretas-Já e da morte de Tancredo Neves. A partir de 1988 voltou para o setor de telejornalismo. Participou da equipe que criou o TJBrasil, do qual foi diretor executivo, o primeiro telejornal a possuir um âncora com independência de opinião na tv brasileira. Sete anos depois, implantou esse mesmo projeto na TV Record, de onde saiu em 2005. Na TV Cultura paulista, dirigiu a cobertura eleitoral de 2006. Foi diretor de jornalismo da TV Gazeta-SP de 2010 a 2018. Diplomado pela Faculdade Cásper Líbero, turma de 82, foi professor da escola em 1985 e 1986. Ganhador do Prêmio Vladimir Herzog de Direitos Humanos, é co-autor, com Edmilson Lucas da Silva, de Matar ou morrer, autobiografia de um menor abandonado e coordenador da edição fac-similar do jornal EX-, publicada pela Imprensa Oficial de S. Paulo.




Siga nosso canal no telegram
Tópicos
Compartilhe
Google Whatsapp

veja também

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se