Conheça a alquimista que deu origem ao termo “banho-maria”

Alquimista viveu no Egito entre os séculos 1 e 3 a.C.

Mesmo que você não seja muito talentoso na cozinha e prefira não se aventurar no fogão, você já deve ter ouvido o termo “banho-maria”, certo? Na culinária, ele se refere a um método de aquecimento no qual, em vez de colocar o recipiente contendo os alimentos diretamente sobre a chama, esse recipiente é posto dentro de outro contendo água fervente, o que permite que os itens esquentem de forma mais lenta e uniforme. 

Na verdade, esse método de aquecimento não é uma exclusividade da culinária. Ele também é bastante utilizado na indústria farmacêutica, cosmética e em laboratórios químicos — e a origem do seu nome, “banho-maria”, tem uma história fascinante. O termo está associado à figura de uma judia chamada Maria que teria vivido no Egito entre os séculos 1 e 3 a.C.

Banho Maria (Crédito: Reprodução)
Banho Maria (Crédito: Reprodução)

Maria, a alquimista

Os registros históricos mais antigos que existem sobre Maria foram deixados pelo alquimista egípcio Zósimo de Penápolis, autor que documentou as contribuições e inventos dela em sua obra Peri kaminon kai organon (Tratado sobre Instrumentos e Fornalhas). Ele escreveu sobre essa fascinante mulher por volta do século 4 da nossa era, isto é, cerca de 500 anos depois de ela morrer.

Maria também é conhecida como Maria Profetisa, Maria Profetíssima e Miriam, a Profeta, e, com relação a sua suposta origem hebraica, os historiadores especulam que ela acabou ficando conhecida dessa forma porque Zózimo se referia a ela em seus escritos como “Miriam, irmã de Moises”,  que, por sua vez, nada mais seria do que uma maneira poética de chamá-la de sábia.

Seja como for, Maria entrou para a História como a primeira mulher alquimista do mundo, e possivelmente como a fundadora dessa arte, e teria sido a responsável pela descoberta do ácido clorídrico, embora exista um pouco de debate sobre a veracidade dessa informação. Entretanto, sabe-se que Maria se dedicou ao estudo dos compostos do enxofre, e que foi ela quem desenvolveu um processo para a obtenção do sulfeto de prata, um composto preto usado com frequência em trabalhos com incrustação em metal.


 (Crédito: Reprodução)
(Crédito: Reprodução)


Além disso, a hebreia também teria fundado uma importante escola de alquimia no Egito e inventado procedimentos e instrumentos usados pela química, como o tribikos, uma espécie de alambique de três braços usado para purificar substâncias por meio da destilação, e o kerotakis, um equipamento selado hermeticamente empregado para aquecer compostos e obter os vapores, além de desenvolver o popular “banho-maria”, é claro!


 (Crédito: Reprodução)
(Crédito: Reprodução)

Entretanto, apesar de Maria ter se tornado mundialmente conhecida como alquimista, de acordo com os historiadores, na verdade, ela não se dedicava realmente a essa prática, nem estava interessada na arte da transmutação.

O negócio dela era entender e desenvolver processos químicos — e foram os alquimistas que surgiram muito depois e descreveram os métodos desenvolvidos por Maria que acabaram dando a ela essa designação. Sobre o termo “banho-maria” propriamente dito, ele foi introduzido por médico, astrólogo e alquimista chamado Arnau de Vilanova durante o século 14.


Fonte: Com informações do Magacurioso