Conheça a nova e controversa técnica de relaxamento japonesa

Fisioterapeutas dizem que a técnica pode causar problemas na coluna

Todo mundo sabe que o Japão é uma terra de gente excêntrica, digamos assim, especialmente no que diz respeito aos costumes comportamentais e sociais de seus moradores.

Para comprovar essa lógica, apresentamos uma novidade nipônica: na hora de relaxar, os japoneses estão recorrendo a uma ideia esquisita. Basicamente, eles são embrulhados em um pedaço de pano, como se fossem um saco de batatas, e ficam ali durante 20 minutinhos, pelo menos, refletindo.

Técnica japonesa de relaxamento (Crédito: Reprodução)
Técnica japonesa de relaxamento (Crédito: Reprodução)

A técnica de relaxamento foi criada em 2015 por Nobuko Watanabe, uma parteira japonesa, criadora também do “sutiã de barriga” para mulheres grávidas.

Benefícios

De acordo com Watanabe, a Otona maki, que é essa técnica de se embrulhar em um pedaço de pano, reduz os níveis de estresse e faz com que a pessoa se sinta mais relaxada pelo fato de se manter em posição fetal durante um tempo.

Assim como a técnica de Ohinamaki acalma bebês quando os envolve em mantas, a ideia de Watanabe era fazer o mesmo com adultos e melhorar a qualidade de vida de quem já é crescidinho, mas ainda precisa ficar em posição fetal de vez em quando para voltar aos trilhos.

Ao que tudo indica, essa posição nos ajuda a endireitar o corpo e a aliviar dores nas costas, na região da lombar e no quadril, muitas mulheres recorrem à técnica depois de darem à luz, para aliviar as dores pós-parto.

Controversias 

Ainda que a técnica pareça interessante depois de descobrirmos seus possíveis benefícios, alguns especialistas são contra. Visvanathan Ravi, fisioterapeuta, acredita que permanecer nessa posição pode provocar tensões musculares, em curto ou em longo prazo.

“Se uma pessoa permanece na posição por 30 minutos, tenho certeza de que terá problemas na coluna vertebral. Não é aconselhável fazer este tratamento”, afirmou.

Vale saber que a técnica existe mais como curiosidade mesmo, mas se algo do tipo surgir no Brasil, antes de começar qualquer tipo de tratamento é fundamental consultar a opinião de um médico. 


Fonte: Com informações do Megacurioso