Conheça as reações do corpo no 1º encontro amoroso

Desejo, raiva e prazer: quais são as reações do corpo

O corpo humano possui as mais diversas reações que variam de acordo com as situações. Por exemplo, na hora do sexo as sensações que reinam são o desejo e o prazer, antes do primeiro encontro é comum ficar nervosa, com medo, ansiosa e quando acontece àquela briga com o parceiro, a raiva é quem toma conta. 


Você já parou para pensar por que isso acontece com todo mundo? As sensações físicas e os sentimentos são semelhantes nessas situações porque são desencadeadas por  reações no cérebro. Isso significa que tem uma razão para o corpo e a mente agirem de forma parecida.

Início de relacionamento

Começo de relacionamento é sempre aquele grude. Renato Zilli, endocrinologista do Hospital Sírio Libanês, explica que isso acontece pois é liberado no cérebro a oxitocina, que está relacionada a comportamentos pós-sociais como o altruísmo, a generosidade e empatia.

Image title

Por isso, é comum ficar meio boba, achar tudo fofo e sentir borboletas no estômago. Esse é o famoso “ hormônio do amor ”.

Na primeira fase do relacionamento, também há a diminuição dos níveis de serotonina, então a sensação de insegurança aumenta e faz com que o comportamento da pessoa seja mais obsessivo. O bom é que depois de um tempo isso passa.

Relações sexuais

O médico fala que o desejo sexual está relacionado com os níveis de testosterona circulante no corpo e o equilíbrio entre andrógenos e estrógenos.

Durante a relação sexual, vários hormônios são liberados, como a dopamina, hormônio relacionado à recompensa; a serotonina, que provoca a sensação de prazer menos intensa e mais persistente; a oxitocina, o “hormônio do amor”; e a vasopressina, que está relacionado aos sentimentos de posse e desejo.

Em ambos os sexos, há uma diminuição dos andrógenos com o envelhecimento. Por isso, é comum que haja uma diminuição da atividade sexual com o avançar da idada, explica o médico.

Brigas

Para entender o que acontece na hora da raiva, o especialista explica um pouco mais sobre o cérebro. O  córtex cerebral , por exemplo, é a parte pensante do cérebro, na qual a lógica e julgamento residem. Já o centro emocional do cérebro é o sistema límbico , considerado mais primitivo que o córtex.

“Quando alguém está expressando a raiva, ele não está usando o pensamento [córtex], mas usando principalmente o centro límbico do cérebro. Nessa parte do cérebro fica a amígdala, um armazém de memórias emocionais”, diz Renato.

Os dados externos que as pessoas recebem passam pela amígdala e lá é decidido se as informações vão para a área límbica ou córtex do cérebro.

Se os dados desencadeiam grande carga emocional, são enviados para o sistema límbico, librando o cortisol (hormônio do estresse) e a adrenalina (hormônio que acelera o coração e aumenta a pressão arterial).

O especialista alerta que a liberação em longo prazo destes hormônios no corpo está associada à ansiedade, insônia, obesidade, hipertensão e diabetes tipo 2. “A meditação ajuda a modular de forma positiva a controlar as reações”, completa.


Fonte: iG
logomarca do portal meionorte..com