Locais sagrados da Índia são paradas obrigatórias para turistas

Conheça lugares encantadores na Índia

Vamos falar sobre a misteriosa e enigmática Índia, um país localizado no continente asiático e que atrai turistas interessados em conhecer sua cultura. Como ainda não tive a oportunidade de conhecer esse lugar maravilhoso, convidei a empresária Thais Ghuss para falar sobre o assunto.


A Thais é apaixonada pela Índia e teve a oportunidade de viajar seis vezes para lá desde 2012, e nesses passeios viveu experiências transformadoras. Ela nos dá dicas de lugares especiais e sagrados no país que precisam fazer parte do seu roteiro de viagem. Confira:

1. Akshardham, Delhi

Akshardham, na Índia, é considerado o maior templo hindu do mundo

Considerado o maior templo hindu do mundo, o local foi inaugurado em 2005 e construído com a ajuda de 3 mil voluntários e 7 mil artesãos. Medindo 96 metros de altura, ele é dedicado ao Bhagwan Swami Narayan (1781-1830). O complexo Akshardam, todo feito em mármore branco de Carrara e de arenito rosa do Rajastão, é enorme e ocupa uma área de cerca de 100 acres.

Há quem diga que o lugar é a Disney indiana. Entre suas atrações está um teatro-cinema com uma tela gigante de 26 metros de largura e 20 de altura, na qual é projetado um filme épico, onde mostra a peregrinação do Swami no século 18 pelos Himalaias. Além disso, há o salão dos valores com fatos da vida do Swami representados por robótica e efeitos de som e luz, que conta com temas como amor, ahimsa (não violência), vegetarianismo, destemor, serviço, humildade, compaixão, consciência espiritual, unidade e paz. 

Reserve no mínimo três horas para conhecer todas as atrações e atenção: a maioria das agências vendem o passeio somente para visitar o templo. A segurança é rígida, não permite fotos e só pode levar com você água, dinheiro e passaporte - nada mais. Na livraria do local você pode adquirir o livro com fotos e incensos maravilhosos que só se encontra lá.

2. Taj Mahal, Agra

Thais no Taj Mahal

Unanimidade na lista das 7 maravilhas do mundo, o Taj Mahal foi construído para ser o mausoléu de Mumtaz Mahal, a esposa favorita do imperador mogol Shah Jahan, que morreu ao dar à luz ao 14º filho do casal e tornou-se um ícone de toda a humanidade. Suas linhas simétricas, vastos jardins e elegante desenho deixam qualquer visitante deslumbrado. O Taj Mahal está ladeado por uma mesquita e sua réplica. A função da segunda construção é dar equilíbrio visual ao conjunto arquitetônico.

Use roupas típicas como sáris para as mulheres e batas para os homens no dia da visita. Na entrada do monumento, contrate um fotógrafo para garantir os melhores ângulos, e receba no final da visita um álbum com 10 fotos impressas ao custo de 1000 rúpias ou US$15 (cerca de R$ 47,50). 

O local permanece fechado às sextas-feiras e o visitante recebe um garrafa de água na compra do ingresso.

Outra atração é o show Mohabbat the Taj, um espetáculo em “estilo bollywood” sobre a história do Taj Mahal e que está em cartaz há 9 anos. Há fones em língua espanhola disponíveis e o ingresso para assistir custa 1200 rupias ou US$20 (cerca de R$ 63).

3. Rio Ganges, Varanasi

O Rio Ganges é um dos lugares mais conhecidos do país

Varanasi é uma das cidades mais antigas do mundo – os registros apontam sua existência há pelo menos 2500 anos. Não é só a mais sagrada para os hindus, como também um dos mais incríveis destinos para quem visita a Índia. Contudo, prepare-se, pois também encontrará sujeira, desordem, vacas pelas ruas e coisas que só se vê em Varanasi.

O dia começa antes do nascer do sol, com fiéis de todos os cantos do país caminhando rumo às escadarias (gaths) do sagrado Rio Ganges . Eles mergulham em suas águas em busca de purificação espiritual.

É aqui onde o processo de queima de corpos continua incessantemente 24 horas nos gaths de cremação. Os hindus acreditam que aquele que morre na cidade, encerra o ciclo de reencarnações e tem acesso direto à vida eterna, o último e mais desejado estágio da existência para a religião hindu. É preciso estar de coração e mente aberta para ser introduzido a essa cultura milenar.

Ao fazer o passeio de barco pelo Rio Ganges no nascer do sol, traga com você um casaco, snacks e água, pois o passeio é realizado antes do café da manhã. Você pode usar um tênis que possa descartar, pois as ruas de Varanasi são bem sujinhas.

Todo fim de tarde acontece o Aarti, o ritual sagrado em agradecimento à Deusa Ganga, à beira do Rio Ganges. Nele há entoação de mantras e oferendas. Assista à cerimônia com conforto de dentro de um barco por apenas 100 rúpias ou U$1,5 (cerca de R$ 4.75) e solte seu próprio puja (oferenda) em gratidão, comprado ali mesmo, por 20 rúpias ou U$0,30 (cerca de R$ 0,95) dos vendedores ambulantes.

4. Templo do Dalai Lama, Dhramashala - Mcleod Ganj

Thais em Dhramashala, local que é refúgio para milhares de tibetanos

Dharamshala é um lugar absolutamente simples e pacífico. Fica aos pés dos Himalaias e é refúgio para milhares de tibetanos desde 1960, quando a China invadiu o Tibet. Em 45 minutos chega-se ao subúrbio Mcleod Ganj, conhecido como a pequena Lhasa. O local abriga o templo e moradia da Vossa Santidade o 14º Dalai Lama. Neste vilarejo de ruas pequenas, pode-se fazer tudo a pé, desde compras do artesanato até visitar o templo do Dalai Lama quantas vezes desejar.  

Comece o dia fazendo uma caminhada externa pelo templo do Dalai Lama, tome um ginger honney lemon tea no Italian Kitchen com vista para os Himalaias, visite o Bhagsunath, templo dedicado à Shiva. No Mc Llo Restaurant, experimente os momos – tradicionais bolinhos tibetanos. Compre incensos naturais produzidos por monges tibetanos, bandeirinhas com mantras, xales do Tibet e japamalas - cordões de oração. Não deixe de provar a torta orgânica de maçã no Snow Lion Restaurant.

5. Templo Dourado, Amritsar

Thais em visita ao Templo Dourado

Considerada a Meca dos sikhs, Amritsar é o principal centro de peregrinação espiritual da religião Sikh. Fundada com o objetivo de colocar a humanidade no mesmo plano e excluindo o conceito de castas, os Sikhs têm como um dos princípios o voluntariado e o apoio à comunidade. O templo abriga a maior cozinha comunitária do mundo. É estimado que diariamente 75 mil refeições vegetarianas são servidas na cozinha comunitária.

Centenas de devotos prestam serviço na preparação, no servir e na limpeza dos utensílios, contribuindo com as próprias mãos para sua comunidade. As placas douradas que cobrem as  cúpulas do templo e as requintadas peças de mármore foram doações do marajá Ranjit e é no seu interior que está guardado o Guru Granth Sahib, o Livro Sagrado dos sikhs.

Ao entrar no templo, todos devem estar adequadamente vestidos - com a cabeça coberta em sinal de respeito e sem sapatos e meias. Todos recebem um prasad - o alimento sagrado, feito com farinha integral, açúcar, ghee e muito amor. Interaja com os locais e tire fotos - eles ficam super curiosos com a nossa presença no templo deles. Se possível for, retorne à noite para ver o templo iluminado.

6. Capital da ioga, Rishikesh

Thais em Rishikesh, a capital mundial da yoga

Considerada a capital mundial da ioga , a mística Rishikesh é repleta de ashrams - escolas de ioga- , lojas, cafés e restaurantes. Em 1968, os Beatles visitaram o asharam do Maharishi para um treinamento avançado em meditação transcendental. Este foi o período mais produtivo da banda. Após a visita dos Beatles, Rishikesh tornou-se um destino popular entre os turistas internacionais e alterou a opinião do mundo ocidental sobre a espiritualidade indiana, ioga e meditação.

Para os amantes da meditação, a Vashista Cave é visita obrigatória. Localizada nas margens do Rio Ganges, é o local onde Vashista, o sábio que alcançou o mais alto conhecimento divino, meditava. Dizem que foi ali onde Jesus Cristo meditou em sua passagem pela Índia. Comece o dia percorrendo as duas pontes que ligam a cidade, chamadas de Laxman Jhula e Ram Jhula, caminhando pelas lojas, ashrams e curtindo a atmosfera da cidade. No Flavor’s Restaurante prove um Kashmir Pulao - arroz com especiarias, Chana Masala - grão de bico, e o Garlic Naan - pão de alho.


Fonte: iG