Para combater câncer, cientistas criam implante de gelatina

O material no qual o dispositivo foi criado é gelatina e álcool.

Cientistas da Universidade de Duke, na Carolina do Norte, Estados Unidos, desenvolveram um implante que poderá ser um poderoso aliado no tratamento do câncer. Mas o que mais chama a atenção do método é o material no qual o dispositivo foi criado: gelatina e álcool.

O tratamento para combater o câncer , que até o momento só foi testado em animais, seria feito a partir da introdução do implante no tumor, que libera, lentamente, pequenas quantidades de etanol - o álcool que compõe, por exemplo, de 12% a 14% do vinho. À medida que entra em contato com células tumorais, o etanol destrói por "envenenamento" as proteínas vitais que as células precisam replicar.

O uso do álcool para tratar o câncer não nenhuma novidade na medicina. Há muito tempo os médicos sabem que as células cancerosas podem morrer "afogadas" em etanol. O problema é que essa substância química também destrói os tecidos circundantes saudáveis e leva quantidades relativamente grandes de álcool para erradicar completamente as células tumorais, expondo as células normais aos seus efeitos tóxicos.

Implante que mata o câncer será feito com substância gelatinosa para não "inundar" a área e as células vizinhas saudáveis
Implante que mata o câncer será feito com substância gelatinosa para não "inundar" a área e as células vizinhas saudáveis


Como resultado, seu uso foi limitado a canceres onde o tumor está contido dentro de uma cápsula fibrosa que evita o vazamento de álcool, como pequenos tumores de fígado. Nestes casos, uma agulha é passada através da pele sob anestesia local para esguichar álcool nas células cancerosas.

Novo implante

Para chegar ao resultado final do estudo, os cientistas misturaram etanol com etilcelulose, uma substância feita de polpa de madeira ou algodão que é amplamente utilizada como agente espessante na indústria de alimentos e para revestir medicamentos.

A partir daí, foi desenvolvida uma substância firme, gelatinosa, que, uma vez que entra em contato com as condições úmidas dentro do corpo, gradualmente começa a dissolver-se ao longo de uma semana ou mais, liberando sua carga alcoólica.

O diferencial dos outros experimentos já inventados antes é que ele se dissolve lentamente, pequenas quantidades de álcool são liberadas na área do tumor - em vez de "inundar" a área e as células vizinhas saudáveis com álcool injetado.

Para testá-lo, cientistas implantaram o gel em sete camundongos com tumores malignos na boca e mediram o tamanho do crescimento canceroso após oito dias.

Os resultados, publicados recentemente na revista Scientific Reports , mostraram que os tumores desapareceram completamente nos sete animais que receberam o implante.

Os pesquisadores disseram que a quantidade de álcool no implante de gel era uma fração daquela necessária quando injetada, reduzindo a quantidade de possíveis danos às células saudáveis.

Segundo os cientistas, o gel poderia ser usado para tratar outros tipos de câncer, como o de mama, e está sendo estudado para tratar lesões pré-cancerosas no colo do útero. Uma das maiores vantagens é que o tratamento pode ser muito barato.

Fonte: ig
logomarca do portal meionorte..com