Proteínas em células com HIV pode indicar caminho para a cura

A nova proteína parece marcar as células e indicar o caminho

Os pesquisadores estão perto de revolucionar o tratamento de pessoas infectadas pelo HIV – quem sabe até uma cura! Acontece que os soropositivos em tratamento possuem células infectadas que são impossíveis de ser encontradas. Uma nova proteína, entretanto, parece estar marcando essas células, sendo possível pensar em novas formas de agir contra elas.

Atualmente, os medicamentos antirretrovirais são capazes de praticamente eliminar o vírus da pessoa infectada. Porém, existe um reservatório em que ele se esconde até encontrar um momento propício para voltar a se replicar – como quando os remédios deixam de fazer efeito, por exemplo.


A medicação precisa ser contínua, já que poucos dias sem ela são suficientes para uma explosão viral no corpo do soropositivo. O HIV fica escondido em células do sistema imunológico, conhecidas como células T em repouso. O vírus entra no material genético dessas células e fica quase impossível de ser detectado.

Descoberta de biomarcador

Entretanto, cientistas franceses conseguiram detectar um biomarcador existente apenas nessas células T infectadas com o vírus latente. Dessa forma, talvez seja possível, no futuro, criar medicações que ataquem apenas essas células – como elas fazem parte de nosso sistema de defesas, não podemos eliminá-las completamente de nosso corpo.

“Desde 1996, o sonho foi matar essas células desagradáveis ??escondidas, mas não tínhamos como fazê-lo porque não tínhamos como reconhecê-las”, explica o virologista Monsef Benkiran, da Universidade de Montpellier, na França.

A proteína chamada CD32a paira apenas sobre as células T infectadas com HIV latente, não sendo encontradas nem mesmo naquelas sem o vírus ou com o vírus ativo. Essa informação é importantíssima, por mais que a tal proteína tenha sido encontrada, na verdade, apenas em metade das células T infectadas.

Ainda assim, eliminar mais um tanto de células com o vírus já é outra vitória na luta da Ciência para erradicar de vez o HIV da Terra. O caminho até lá ainda é longo, já que este estudo foi feito apenas com 12 indivíduos soropositivos em tratamento. Acredita-se que quase 40 milhões de pessoas em todo o mundo vivam com o HIV hoje em dia, mas apenas 17 milhões têm acesso a medicamentos antirretrovirais.

Fonte: megacurioso
logomarca do portal meionorte..com