Saiba quais as 10 coisas mais perigosas que você pode fazer na web

A internet conecta milhões de pessoas, isso não é novidade.

A internet conecta milhões de pessoas, isso não é novidade. E desses milhões, há muitos que estão apenas procurando por computadores vulneráveis a ataques. O pior é que grande parte deles não são feitos de maneira direta pelos crackers, mas porque usuários acessam links maliciosos e abrem as portas para invasões.

Além disso, há diversos outros hábitos, muito comuns, que fazem com que os computadores fiquem abertos a ataques. Confira alguns dos erros mais frequentes que a maioria dos usuários cometem e também saiba como evitar os riscos  que atrapalhem a sua estadia na internet.

1. “Manter-me conectado”

Serviços de email e redes sociais possuem a opção “Manter-me conectado” para que os usuários não precisem digitar seus logins e senhas a cada vez que desejarem acessar suas contas. Isso pode ser muito útil para qualquer pessoa que não divida o computador, mas, quando isso é feito em computadores públicos, o perigo é grande.

Computadores de lan-houses e universidades são utilizados por muitas pessoas em períodos curtos. A qualquer momento pode surgir um usuário que, ao perceber que algum serviço já está logado, altera dados e insere informações caluniosas sobre a vítima, que só vai perceber os danos muito mais tarde.

2. Não atualizar aplicativos

Programas vitais para o funcionamento do computador não podem ser deixados de lado na hora de realizar as atualizações. Sistema operacional e aplicativos com comunicação a servidores online (Adobe Flash, Adobe Reader e Java, por exemplo) podem ser verdadeiras portas de entrada para pragas virtuais.

Atualizações, por menores que sejam, são muito importantes para corrigir possíveis falhas estruturais que deixam os aplicativos vulneráveis, e não as efetuar, consequentemente, pode prejudicar os computadores.

3. Procurar “escapulidas” de famosos

É difícil encontrar um usuário que nunca tenha se deparado com informações sobre traições de seus artistas favoritos ou supostas gravações de vídeos adultos que fizeram com seus namorados, que prometeram “nunca mostrar para ninguém” e assim por diante. Muitos usuários mal-intencionados se aproveitam dessa curiosidade para espalhar vírus e outras pragas para o mundo. Infectando uma enorme quantidade de computadores, é muito provável que senhas de cartões de crédito, listas de emails e outros dados que podem ser utilizados para causar danos sejam roubados.

4. Baixar filmes e softwares ilegais

Muitos veem na pirataria uma saída para gastos com programas de computador, jogos e filmes. O problema é que (além de desrespeitar as leis de direitos autorais) muitas dessas fontes oferecem os mesmos riscos que o caso anterior.

Sites maliciosos são criados para atrair usuários em busca de licenças e softwares piratas e “fazem a festa” com as portas que são abertas. Ao “clicar para baixar”, os usuários também estão “clicando para infectar”, “clicando para permitir o acesso de crackers”, ou seja, deixando o computador vulnerável.

5. Procura por conteúdo adulto

Desde que a internet chegou aos computadores pessoais, sites de conteúdo adulto começaram a surgir e a se multiplicar de maneira exponencial. Logo chegaram os crackers e se aproveitaram dessa enorme demanda por conteúdo adulto para criar o império dos links maliciosos e das propagandas ilegais.

Não são raros os popups com técnicas e produtos para melhorar o desempenho sexual, propostas para cadastros em redes sociais apenas para maiores de idade e muitas outras opções que completam uma enorme gama de possibilidades.

Isso acontece porque essa busca é inerente ao ser humano. Desde que há (e enquanto houver) internet, vai existir procura por materiais do gênero. Um prato-cheio para desenvolvedores maliciosos, que conseguem infectar um número enorme de computadores em pouquíssimo tempo.

6. Jogos online e armadilhas escondidas

Além dos riscos oferecidos pelos jogos piratas disponibilizados na internet, baixar os gratuitos também pode ser um problema. Isso porque alguns não são realmente gratuitos, mas são anunciados como tal para atrair usuários. Jogos de redes sociais (como o Facebook) oferecem perigos diferentes. Apesar de serem bastante vedados em relação à segurança, muitos deixam brechas para que crackers criem anúncios falsos com promessas de produtos grátis em links maliciosos.

7. Não cuidar da privacidade em redes sociais

Facebook e Instagram permitem que seus usuários enviem uma grande quantidade de fotos para os servidores, garantindo que possam ser mostradas suas viagens, festas e tantas outras ocasiões. Quem sabe se prevenir altera as configurações para permitir que apenas amigos próximos possam ter acesso a essas imagens. O problema é que grande parte dos usuários não sabe realizar esse tipo de modificação e acaba deixando tudo à mostra para qualquer um. Isso facilita que outras pessoas roubem suas fotos e informações, criando perfis falsos e realizando montagens maldosas com as imagens obtidas, o que pode causar danos morais muito sérios às vítimas.

8. Acessar redes WiFi desconhecidas

Precisando acessar seu email e está sem 4G/3G? Verificou a lista de redes WiFi disponíveis e encontrou várias sem proteção? Então tome muito cuidado, pois nem todas as redes ficam liberadas porque os administradores são “bonzinhos”. Não é raro encontrar redes sem proteção criadas por quem quer apenas roubar dados. Como tudo o que você digita passa pelo modem, não é difícil fazer com que seus movimentos sejam registrados em um log de utilização. Assim, podem ser capturados endereços de email, senhas, códigos de acesso a serviços diversos e números do cartão de crédito, por exemplo.

9. Mesma senha para tudo

Email, Facebook, Instagram e Spotify. Todos os seus perfis possuem a mesma senha de acesso? Se sim, você está correndo um grande risco. Caso você tenha uma senha roubada, o ladrão poderá acessar todas as suas informações de uma só vez, conseguindo invadir suas contas em qualquer local onde você esteja cadastrado.

10. Clique para ganhar um iPad

Parece brincadeira, mas ainda existem muitos banners falsos na internet. “Você é nosso visitante 1.000.000.000! Clique aqui e ganhe um iPad, um Playstation 4 e um Boeing”. Infelizmente não é tão fácil assim ganhar um prêmio, portanto tome muito cuidado com os links, pois muitos deles são apenas atalhos para sites maliciosos.

Fonte: megacurioso.com