Saiba todos os sintomas e tratamentos das micoses e herpes

A água de piscinas e até do mar pode acabar escondendo bactérias

Férias de verão pedem a combinação sol, calor, praia ou piscina. O problema é que esse mesmo conjunto, combinado com o excesso de suor, eleva o risco de doenças de pele como as micoses e herpes simples. E se você não se preveniu enquanto estava viajando, agora é a hora de cuidar dos problemas.


De acordo com a Dra. Elisabeth Barbosa, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), a água de piscinas e até do mar pode acabar escondendo bactérias, fungos e vírus que causam doenças como impetigo, as micoses e a herpes. “Cada uma se apresenta de uma forma peculiar, que varia desde vesículas com conteúdo purulento, até lesões pruriginosas  – que coçam – entre dedos dos pés e virilhas.”

Image title


O tratamento varia de acordo com o problema. A especialista explicou que para uma infecção por bactérias, como o impetigo, se usa antibióticos. Já no caso de fungos, um antifungos e por vírus, antivirais. Apenas um especialista pode indicar o remédio correto.

Herpes simples                                          

A doença contagiosa é causada pelo vírus HSV, vírus do herpes simples humano. Podem ocorrer lesões orais e genitais após o contato direto da pele e das mucosas com uma pessoa infectada.

A infecção causa bolinhas que se agrupam como um cacho de uva e rapidamente evoluem para feridas. Na primeira vez, pode acompanhar febre, dor de cabeça, surgimento de ínguas, rigidez da nuca, dor para urinar e secreção vaginal. Quando ocorre após essa infecção primeira, os outros sintomas costumam ser muito leves ou até ausentes.

A pessoa pode apresentar a infecção até mais de oito vezes por ano, sempre no mesmo local. Normalmente, a herpes volta a aparecer quando ocorre quadros de queda da imunidade, estresse, exposição prolongada ao sol, febre, outras infecções, menstruação ou trauma local.

O melhor é iniciar o tratamento o quanto antes para evitar as complicações da herpes. As bolhas não devem ser estouradas, e o paciente deve evitar beijar ou entrar em contato muito próximo com outras pessoas para evitar a transmissão – principalmente no caso de crianças.  No caso do problema atingir a área genital, deve-se evitar relações sexuais. O médico pode indicar antivirais orais ou tópicos

As infecções causadas por fungos que atingem a pele, as unhas e os cabelos são classificadas como micoses. Elas se dividem em diferentes tipos, de acordo com a SBD, e cada uma tem seu tratamento.

A pitiríase versicolor, por exemplo, surge como manchas brancas, descamativas e que podem estar agrupadas ou isoladas. Normalmente surgem na parte superior dos braços, tronco, pescoço e rosto. O tratamento pode ser feito com medicamentos antifúngicos tópicos ou orais.

Prevenção

Dra. Elisabeth Barbosa orienta que, quando uma pessoa estiver na praia, observar as áreas próprias para banho e a presença de animais. “No caso de aparecimento de lesões de pele não frequentar ambientes aquáticos para evitar a veiculação.”

Já nos clubes, é essencial exigir o exame de pele periódico. Apesar de ser chatinho, parecer uma preocupação desnecessária, é super importante para evitar a transmissão das doenças de pele. “É necessário que as autoridades sanitárias fiscalizem os clubes para que a população fique protegida dos riscos.”

Hábitos como secar bem as dobras do corpo, como as axilas, virilhas e os dedos dos pés, também são importantes para se evitar as micoses. É preciso evitar contato prolongado com água e sabão e nunca andar descalço em locais que estão constantemente úmidos, como vestiários, saunas e lava-pés de piscinas. Os especialistas indicam evitar também roupas molhadas por muito tempo, compartilhar toalhas, roupas, escovas de cabelo e bonés, usar calçados fechados por longos períodos e roupas muito quentes e justas.


Fonte: iG
logomarca do portal meionorte..com