Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore

Aos 73 anos, atriz Jane Di Castro morre em decorrência de câncer

Atriz transexual, que está no ar no horário nobre da Globo na reprise de "A Força do Querer", estava internada no Hospital Ipanema.

Compartilhe

Jane Di Castro morreu aos 73 anos na manhã desta sexta-feira (23), no Rio de Janeiro. Segundo a coluna de Ancelmo Gois, a atriz veio a óbito devido a complicações de um câncer. No ar no horário nobre da Globo, na reprise de A Força do Querer, ela estava internada no Hospital de Ipanema, Zona Sul do Rio. As informação da revista Quem.

Por conta da pandemia do coronavírus, Quem soube que a artista não terá um velório tradicional, com homenagens. O corpo será cremado, sem a presença de familiares e amigos.

Aos 73 anos, atriz Jane Di Castro morre em decorrência de câncer

Discreta em relação a sua vida pessoal, Jane era casada com Otávio Bonfim, com quem selou a união depois de 47 anos vivendo juntos, em 2014, num casamento coletivo que reuniu 160 casais gays. A artista ficou viúva em 2018. Otávio também morreu de câncer.

Nome importante na causa LGBTQI+, Jane lutou muito para ser aceita e respeitada. Nascida no bairro de Oswaldo Cruz, ela era filha de mãe evangélica e pai militar. A educação conservadora não impediu que a atriz seguisse seu caminho na arte. Ela se apresentou em casas do bairro e em 1966 estreou no Teatro Dulcina.

No espetáculo Gay Fantasy, no qual também atuaram Rogéria, Marlene Casanova e Ney Latorraca, Jane teve a oportunidade de ser diriga por Bibi Ferreira. O espetáculo fez uma turnê de sucesso no Brasil e no exterior, incluindo uma performance no tradicional Lincoln Center, em Nova York, nos Estados Unidos.


No Teatro Rival, fez, de 2004 a 2014, o musical de sucesso Divinas Divas, ao lado de Rogéria, Divina Valéria, Camille K, Eloína dos Leopardos, Marquesa, Brigitte de Búzios e Fujika de Halliday. O trabalho virou um filme documentário dirigido por Leandra Leal posteriormente.


Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar