Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Após se assumir gay, Diego Hypolito desespera fãs com nova revelação

Ginasta falou sobre período difícil em sua vida pessoal e carreira

Compartilhe
Google Whatsapp

Depois de ter falado pela primeira vez sobre sua sexualidade, Diego Hypólito não quer esconder mais nada. Durante bate-papo nesta quinta-feira (16), o ginasta revelou alguns detalhes de tempos difíceis na sua profissional e pessoal, incluindo algumas tentativas de suicídio. As informações são da Quem.

"Foram remédios e janela também, de tentar pular", contou. "Isso são coisas muito pesadas, eu sei. Mas são coisas que muitas pessoas passam e depois não sabem como  lidar com isso".

Para o ginasta, uma série de problemas que teve foram o que o levaram a ter diversos problemas psicológicos, pontuando suas duas quedas olímpicas, sua demissão do Flamengo, ter que morar sozinho durante um ano em São Paulo e um relacionamento que mexeu muito com sua auto-estima.

"Eu me sentia muito feio e quando [o namoro] terminou, achei que nunca mais ia conseguir ninguém porque era feio demais", contou.

Depois de buscar ajuda profissional, Diego chegou a ser internado em uma clínica psiquiátrica em 2014, "não sei nem por quanto tempo", afirmou a Bruno Chateaubriand, um de seus melhores amigos, e que o entrevistou alguns minutos antes para o programa Tricotando.

Na época, Diego se cercou de sua família durante sua internação, mas foi no esporte que realmente encontrou sua força. "Eu não tinha muita noção das coisas que estava fazendo na época, estava muito perdido. E é engraçado que pouco tempo depois fui medalhista mundial e minha vida teve uma reviravolta depois disso", contou.

O próprio processo para essa medalha foi uma jornada para Diego. Ele relembra que estava se sentindo de lado na seleção e não havia sido escalado para a competição em Tóquio. No dia da viagem, ele foi avisado que outro atleta havia se machucado e embarcou às pressas, tendo treinado durante um mês como substituto para uma eventualidade.

No vôo, a seleção passou por um grande susto, tendo ficado 40 minutos fora de radares e com o avião praticamente de lado. "Os comissários choravam", relembrou. No fim de todo o drama, Diego voltou do Japão como medalhista.

"Aconteceu tanta coisa na minh vida que não tinha como eu não ter algum problema psicológico, é natural. Eu acho que todo problema psicológico é excesso de muito problema que você não tem controle", completou.


Siga nosso canal no telegram
Tópicos
Compartilhe
Google Whatsapp

veja também

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se