mais

Bailarina do Faustão, Nathália Zannin fala sobre racismo

A modelo também fala sobre negras famosas que ela tem como referência: Taís Araújo, Camila Pitanga e Djamila Ribeiro.

Bailarina do Faustão, Nathália Zannin fala sobre racismo
Nathália Zannin | Divulgação

Ao que tudo indica, o programa Domingão do Faustão está com os meses contados. Com 32 anos no ar, um de seus triunfos foi ter promovido uma maior diversidade de mulheres na televisão brasileira por meio de seu grupo de bailarinas.

Nathália Zannin, que trabalha no programa há 6 anos, se sente realizada pela visibilidade que alcançou na televisão e ainda reconhece a importância de sua representatividade enquanto mulher negra.


“Aparecer semanalmente na televisão é algo poderoso porque sei que isso impacta milhões de telespectadores. Atualmente, sinto isso principalmente pelas mensagens que recebo no Instagram”, afirma.

Ela também observa que se tornou uma referência para suas seguidoras e entende que esse papel envolve muita responsabilidade. “Gosto de enaltecer a beleza delas e apoiá-las, para que percam a insegurança e se valorizem”, explica. 

Durante sua infância, a questão da representatividade não estava em pauta na mídia. Nessa época, algumas celebridades a inspiravam. “Quando criança, amava ver a Taís Araújo e Camila Pitanga. Hoje, várias outras mulheres pretas maravilhosas me inspiram. Djamila Ribeiro é uma delas”, comenta.


Nathália, sempre que pode, fala sobre assuntos que giram em torno do movimento negro. Contudo, confessa que nem sempre é fácil. Em certos momentos, chega a ser cansativo. “Infelizmente não é todo mundo que está aberto para ouvir. Mesmo assim, não posso deixar de me posicionar, pois, ao me calar, estarei apenas fortalecendo o racismo estrutural. Porém, para o bem da minha saúde mental, às vezes apenas me retiro”, pontua.

Nathália Zannin (divulgação)Nathália Zannin (divulgação)

Ela também chama a atenção para a valorização da dança ao longo dos anos. Ela enxerga o Domingão do Faustão como uma grande vitrine para inúmeros talentos brasileiros. 

“Sou muito feliz por trabalhar com dança no Domingão porque é um programa que valoriza a arte, cultura, música e entretenimento. Hoje em dia, com as redes sociais, a dança vem ganhando um espaço maior e tenho esperança de que um dia seja mais valorizada não só no Brasil, como no mundo inteiro”, acrescenta.

Tópicos

comentários

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Desbloquear Notificações

Como desbloquear notificações

Na barra de endereço, clique no cadeado e em Notificações escolha a opção permitir, como na imagem abaixo

desbloqueio de notificação push

Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail