mais
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore

Compadre Washington: "Já tive quatro carros. Hoje ando de Uber"

O cantor revela que adiou os projetos de celebração de 30 anos do "É o Tchan!" por conta da pandemia e tem investido em engajamento nas redes sociais

Compadre Washington: "Já tive quatro carros. Hoje ando de Uber"
Compadre Washington | Reprodução Instagram

Compadre Washington, do grupo É o Tchan!, em entrevista para o site da Revista Quem, conta que viveu um começo de ano atípico, já que pela primeira vez em sua carreira não trabalhou no Carnaval, cancelado por causa da pandemia. Os planos de celebrar os 30 anos do grupo de axé baiano este ano também tiveram que ser adiados.


"A gente nunca parou de tocar e nunca tinha deixado de tocar em um Carnaval. A gente estava com um projeto de celebrar os 30 anos do É o Tchan. Ia ter gravação de DVD, CD novo, biografia para se lançada e um musical contando a história do grupo no teatro. A Covid pausou todos os planos. Para não dizer que não fizemos um show neste período todo, fizemos duas lives e um show em Brasília drive-thru. Depois paramos", relembra.

Veja também

ver mais de "compadre washington"

O cantor afirma que achou sentata a decisão de adiar o Carnaval e que não pretende voltar aos palcos antes de todos os brasileiros serem vacinados.


"Eu fui um dos que disse que se não tivesse vacina, era melhor não ter Carnaval. Estamos no meio do ano e pelo jeito não vai ter mesmo Carnaval. Acho que não vai dar tempo de imunizar todo mundo. Eu prefiro esperar o outro Carnaval. Vamos ter calma, se cuidar e se vacinar. Depois terão muitos carnavais para a gente curtir."


Compadre tem investido nas plataformas digitais durante esse período fora da estrada. Ele conta que passa muitas madrugadas conversando com os fãs pelo Instagram, no qual tem mais de 200 mil seguidores. 

"A gente começou a se movimentar mais nas plataformas digitais. Eu não entendia muito e ainda estou aprendendo. Meus filhos que são antenados e já fizeram Tik Tok para mim e estão buscando mais engajamento. Estou precisando de seguidores (risos). Eu nunca me toquei para isso. Mas agora a forma que tem é trabalhar digitalmente até isso tudo passar e a gente voltar para a estrada com os nossos projetos. Hoje o que dá para salvar o artista é o número de seguidores, os Tik Toks", explica. 


"Geralmente o pessoal tem assessores para ajudar, mas no meu caso, sou eu mesmo que falo com os fãs diretamente. Às vezes, vou dormir às 5 horas da manhã porque fico batendo papo. Pessoal fala ‘não acredito que é você’. Daí eu ligo a câmera para o pessoal me ver. Tem vezes que faço lives e começam a mandar umas perguntas meio assim e eu falo que vou sair do ar (risos). Nunca me mandaram nudes. Ainda não tive o prazer de receber (risos)." 

Washington revela que mora sozinho e tem aproveitado bem o tempo em casa. Além de aprender inglês e tocar cavaquinho, é ele quem cozinha e lava suas roupas. A jardinagem também tem sido um hobby. 

"Eu moro sozinho. Sou eu e Deus. Sei cozinhar, lavo roupa, faço jardinagem... E agora estou começando a aprender a tocar cavaquinho. Estou fazendo aula de inglês. Mas achei um pouco difícil e vou partir para o Espanhol. Estou aqui em casa assim, cozinhando e lavando roupa. Quando meus filhos vêm para cá, faço comida para eles, conta." 


Ele também tem acompanhado o BBB21 no tempo livre e torce por Camilla de Lucas para vencer a edição.

"De vez em quando eu assisto, principalmente quando estou na casa da minha irmã. O pessoal lá é viciado. Eu gosto de Juliette, mas a minha preferida mesmo é Camilla. Juliette já ganhou milhões de seguidores, ela vai ganhar muito dinheiro, fazer muitos comerciais... Torço pelo Gil também. Acho que vai chegar no segundo lugar, sair do Brasil e estudar fora com a bolsa de estudos, que era o sonho dele. A Camilla é uma pessoa sensata, que entra em todos os meios. Ela necessita ganhar porque tem menos seguidores... Imagina a Juliette com mais de 19 milhões. Cada postagem dela valendo 30 mil? Ela está bem demais! Passa um milhão fácil", avalia.

Compadre Washington já participou do reality A Fazenda (Record) e diz que só por um bom cachê toparia se confinar no BBB. Ele explica que não costuma aguentar desaforo e que isso poderia ser algo negativo para ele em uma competição.

"Eu já fiz parte de A Fazenda. Fiquei lá 53 dias. É um pouco estressante. Eu me conheço e não ia aguentar levar desaforo. Sou daqueles que bateu, levou. Na Fazenda, o pessoal me chamava de dorminhoco porque eu dormia muito, mas eu fazia isso porque eu queria me isolar. Eu me conheço. Então para não entrar em confusão, me afasto. Tanto é que quando entrei na confusão, saí da Fazenda (risos). Para evitar é melhor ficar em casa. Mas se o dinheiro valer a pena, quem sabe? Eu tenho dez filhos, cinco netos. Dá para ajudar a família."



Pai de dez filhos, o músico conta que ajudou financeiramente os filhos, irmãos e a mãe.

"Ganhamos muito dinheiro com o Tchan. Vendemos 16 milhões de CDs no Brasil três milhões fora... No mês, fazíamos 35 shows. Eu fiz pé de meia de todos os meus filhos. Todos os meus filhos tem casa, todos os meus irmãos também e a minha mãe, que agora Deus a tenha, foi a primeira a ter a dela."

Compadre afirma que não gosta mais de ostentar. Ele, que já teve quatro carros na garagem, hoje não tem automóvel próprio por achar desnecessário o investimento.

"Na época eu tinha quatro carros na garagem. Tinha que mostrar status. Tinha duas Mercedes e duas BMWs. Para que ter quatro carros na garagem se só tenho dois braços? Um conselho que dou para todos os que estão começando, compre um carro só, básico e bom e invista em casas, terrenos e apartamentos. É isso que vai dar dinheiro e sustância. Não compre carro! Perde logo o valor. Hoje não tenho carro. Eu alugo quando quero ou ando de Uber. O carro dá muito prejuízo, já perde o valor quando sai da loja. Melhor uma casa confortável, com uma televisão maravilhosa, um frigobar do lado da cama", explica. 


Seu desejo atual é apenas que a pandemia passe e ele volte a ter contato direto com os fãs.

"Meu sonho é o sonho de quase todos os brasileiros, que a pandemia passe e a gente volte ao nosso normal e a fazer show. Deus já me deu tudo o que eu queria e precisava. Trabalhei muito e ele me agraciou. Só peço saúde para a gente se abraçar de novo e se conhecer melhor."


Tópicos

comentários

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Desbloquear Notificações

Como desbloquear notificações

Na barra de endereço, clique no cadeado e em Notificações escolha a opção permitir, como na imagem abaixo

desbloqueio de notificação push

Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail