mais

Marília Mendonça morreu vítima de politraumatismo, diz Polícia Civil

A cantora e mais quatro pessoas morreram em queda de avião no dia 5 de novembro em Caratinga

A Polícia Civil de Minas Gerais disse, em entrevista coletiva nesta quinta-feira (25) que a cantora Marília Mendonça morreu vítima de politraumatismo , provocado pelo acidente de avião ocorrido em Caratinga, na Região do Vale do Rio Doce, no último dia 5.

— É possível afirmar que a morte ocorreu a partir do impacto da aeronave no solo, que levou ao politraumatismo grave de todas as vítimas — afirmou o médico legista Thales Bittencourt em entrevista coletiva nesta quinta-feira, baseando-se no laudo realizado pela perícia técnica.


- Maquiagens, joias, iPhone, bolsas: itens de Marília recolhidos no avião

 Vídeo mostra casal testemunhando queda do avião com Marília Mendonça

-  PM atirou para evitar furto de pertences de Marília Mendonça de avião

Além da artista, também morreram o piloto, Geraldo Medeiros; o copiloto, Tarciso Viana; o produtor Henrique Ribeiro; e o tio e assessor de Marília, Abicieli Silveira Dias Filho. Todos foram vítimas de politraumatismo, de acordo com o médico-legista Thales Bittencourt de Barcelos.

Segundo ele, todos os ocupantes morreram em consequência do choque da aeronave com o solo. Ou seja, as mortes aconteceram apenas depois que todos já estavam no chão.

A polícia agora trabalha com duas linhas de investigação para explicar a queda do avião:

-a hipótese de que as linhas de transmissão de uma torre da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) teriam provocado o acidente

a possibilidade de pane nos motores, o que depende de investigação do Cenipa, o Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáutico

O Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Minas Gerais (Crea-MG) abriu investigação sobre a instalação de torres de transmissão da Cemig em Caratinga, segundo o delegado Ivan Lopes Sales.


Marília Mendonça e mais 4 pessoas morreram em queda de avião no dia 5 de fevereiro Marília Mendonça e mais 4 pessoas morreram em queda de avião no dia 5 de fevereiro 

MPF

O Ministério Público Federal (MPF) em Minas Gerais acompanha as investigações sobre a queda do avião. O órgão instaurou procedimento um dia após o acidente. Quem avalia as causas da queda é o Centro de Prevenção e Investigação de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa)

O MPF enviou ofício ao 3º Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Seripa) requisitando o encaminhamento do relatório final do acidente, quando então será analisada a necessidade de adoção das medidas cabíveis.

Também foi pedido que, caso constatado algum elemento que confirme riscos à segurança do tráfego aéreo, que o fato seja comunicado imediatamente ao MPF antes mesmo da conclusão das investigações.

Avião caiu em uma cachoeira em Caratinga, em Minas Gerais — Foto: Carlos Eduardo Alvim/TV Globo Avião caiu em uma cachoeira em Caratinga, em Minas Gerais — Foto: Carlos Eduardo Alvim/TV Globo 

A aeronave

O avião que caiu era um Beechcraft King Air C90a, um bimotor bastante utilizado na aviação executiva no mundo inteiro, da companhia de táxi aéreo PEC.

A aeronave fabricada em 1984 tinha capacidade para 6 passageiros e estava em situação normal de aeronavegabilidade, ou seja, estava dentro dos parâmetros para fazer esse tipo de transporte, e autorizado para a aviação executiva.

O Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) informou que o avião não tem caixa-preta.

Leia Mais

Tópicos

comentários

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Desbloquear Notificações

Como desbloquear notificações

Na barra de endereço, clique no cadeado e em Notificações escolha a opção permitir, como na imagem abaixo

desbloqueio de notificação push

Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail