Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore

Morto por Covid-19, Scatena revela que marido falava em despedida

Narrando uma viagem para a praia, Alessandra disse que ele falava sobre momentos para se guardar.

Compartilhe

A apresentadora Alessandra Scatena contou que o marido, o empresário Rogério Gherbali, falava em tom de despedida antes mesmo de ser diagnosticado com a covid-19 — a doença comprometeu 75% do pulmão dele. Narrando uma viagem para a praia, Alessandra disse que ele falava sobre momentos para se guardar.

"Na praia, o Rogério falava paro Enrico [um dos filhos]: 'Está vendo esses momentos que estamos juntos? É isso que temos que guardar porque uma hora não estaremos mais juntos', e ele vinha falando isso com frequência", disse em entrevista à Dani Albuquerque. No depoimento, Alessandra contou que Rogério era super ativo com esportes, mesmo com a mania de falar que teria uma vida breve.

"Ele morreu com 56 anos, mas falava que não chegaria aos 54", completou. O empresário morreu em julho, vítima do coronavírus. A apresentadora lembra que foram momentos de tensão e tristeza desde a internação até a notícia da morte.

"Quando me ligaram dizendo que tinha sido entubado, meu mundo caiu. Foi de uma hora para outra, não esperava por isso", afirmou. Ela disse que o marido só sentiu-se mal no 14º dia. Desde então, com ele internado, ela não teve mais contato. Quando Rogério morreu, o hospital pediu para ela se encaminhar até o local. Ela ainda não havia recebido a notícia.

"Era quase 21h, estava indo para o banho, quando meu celular tocou. Me pediram para ir até lá. Gelei, perdi o chão de novo. Não conseguia chegar até o hospital, errava o caminho. Fui falando com Deus dentro do carro, chorando desesperadamente, porque estava na cara que ele tinha falecido", completou.

Dor diferente

A apresentadora era casada com o empresário há 23 anos. Ela lamentou que não pôde se despedir dele como gostaria em razão dos protocolos de segurança contra a covid-19. "Perder uma pessoa que você ama já é difícil em tempos comuns. Mas perder uma pessoa nesse momento é mais triste ainda", contou. A família autorizou a cremação do corpo de Rogério e pretende jogar as cinzas no mar. "Porque amávamos o mar. Mais como uma simbologia porque acreditamos que ele está em um lugar maravilhoso agora", lembrou ela.


Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar