Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore

Série vai alfinetar imprensa especializada

Profissionais da imprensa estão curiosos para ver o que será retratado em A Vida Alheia

Série vai alfinetar imprensa especializada
Miguel Falabella posa com elenco. | Divulgação
Compartilhe

Miguel Falabella deixou a imprensa especializada no mundo das celebridades curiosa com seu novo seriado, A Vida Alheia, que estreia na noite desta quinta (8), na Globo. O programa terá como cenário a redação da revista de celebridades que tem o mesmo nome da série. Cada episódio mostrará a produção de uma reportagem de capa.

Em comunicado enviado pela Globo, Falabella diz que, ao assistir ao seriado escrito por ele, o público terá a sensação de ?olhar pela fechadura?. A diretora Cininha de Paula assumiu essa postura nos enquadramentos.

- Pensamos nos posicionamentos de câmera sempre colocando o espectador com uma visão voyerista. Ele funcionará como o paparazzo do nosso seriado.

A série de Falabella desperta também a curiosidade de profissionais da imprensa que trabalharam com o mundo dos famosos. Uma das principais personagens de A Vida Alheia é a repórter Manuela (Danielle Winits), que não mede esforços para conseguir a notícia em primeira mão, o chamado furo jornalístico, sempre ao lado do fotógrafo paparazzi Lírio (Paulo Vilhena). Ela tem semelhanças com a repórter Angélica Kenes Nicoletti, atualmente colunista do jornal Diário do Grande ABC e ex-repórter da revista Contigo!, na qual fez várias capas importantes.

- Espero que o Falabella mostre que os repórteres que cobrem celebridades utilizam o jornalismo investigativo, hoje tão pouco presente na imprensa. Repórter não investiga a vida de celebridade porque tenha prazer. É algo absolutamente profissional. Há muitos jovens jornalistas que pensam que trabalhar em lugares assim é viver cercado de glamour. Não é nada disso. É preciso ser um excelente profissional. Afinal de contas, a celebridade não é amiga ou inimiga do repórter. Ele apenas é alguém que abriu sua intimidade e fez com que esta fosse disputada pela imprensa especializada.

Angélica faz questão de ressaltar que há artistas que não são importunados, por não abrirem espaço para isso.

- Ninguém faz paparazzi no Tony Ramos. Sabe por quê? Porque ele nunca abriu a intimidade dele.

A jornalista ainda reforça que há muitos profissionais com ética no mercado do jornalismo de celebridades:

- Cobri várias histórias que não foram publicadas uma única linha sequer em respeito ao artista. Porque vimos que o fato descoberto envolvia aspectos de ordem patológica ou de cunho extremamente íntimo.

Para Fabíola Reipert, colunista do R7 especializada no mundo dos famosos, Falabella vai usar o poder de ser um autor da Globo para se vingar da imprensa de celebridades.

- Acho que ele vai se vingar. Vai usar a autonomia que ele tem para escrever e fazer os jornalistas que cobrem celebridades virarem os vilões da história. As celebridades não são perfeitas e impecáveis como eles gostam de sair por aí espalhando. Elas são arrogantes, cometem gafes e dão piti, sim. Não são os jornalistas os vilões dessa história.


Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar