Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Trio Nordestino lança álbum em homenagem a Gilberto Gil

O novo projeto do grupo, guardião fiel da música nordestina, aproxima a obra de Gil de suas raízes

Compartilhe

Por Gilberto Gil

O Trio Nordestino é uma das manifestações da grande herança de Luiz Gonzaga,  Jackson do Pandeiro, de todos que construíram a música nordestina com seus vários gêneros: o baião, o xaxado, o xote. Uma das coisas mais interessantes do Trio Nordestino é a reprodução do conjunto criado por Luiz Gonzaga, com acordeão, zabumba, triângulo e voz, ajudando enormemente na divulgação e renovação desses gêneros originários da família do baião. Um Trio que está inscrito na história da evolução da música nordestina. Agora, eles resolveram gravar canções minhas: do meu ponto de vista pessoal, é uma homenagem extraordinária e sob o ponto de vista das minhas grandes afeições também, porque o baião, a música nordestina, é uma das raízes mestras do meu próprio trabalho. O fato deles terem transposto muitas dessas canções - a maioria delas - para essa forma extraordinariamente reduzida que é a do trio, me deixa comovido.

É outro lugar esse do Trio Nordestino canta Gilberto Gil, outro sotaque, outro jeito de dizer, outro jeito de cantar: uma devolução que eles estão fazendo a mim, à minha própria maneira, que vem de lá. Muito do meu modo de cantar, do meu modo de compor, vem do nordeste, dessa região, desse modo de entender a vida e de expressá-la, tão bem registrada agora pelo Trio Nordestino.  Eles são herdeiros de uma obra extraordinária, que começou com Luiz Gonzaga e teve tantos outros representantes, sendo eles, o Trio Nordestino, um dos maiores, nessa longa estrada pelos cantos do Brasil.

Por Leonardo Lichote

Aos dois anos, em Ituaçu (no interior da Bahia), Gilberto Gil já dizia que queria ser “musgueiro” — como sua fala infantil se referia a quem trabalhava com música. Suas referências eram cantadores e sanfoneiros como Cinézio, artista local. Pelo rádio, vinha o maior de todos, Luiz Gonzaga. Aos dez anos, ele começou a estudar acordeom, seu primeiro instrumento. A vida é o eterno movimento em direção ao menino que fomos, e a obra de Gil — em sua relação com a música nordestina absorvida na infância — é prova disso. Ao longo de toda sua carreira, o compositor celebrou e renovou essas tradições. Fosse no baião futurista pós-Hendrix “Expresso 2222”, fosse no baião com ares de clássico “De onde vem o baião”.

“Trio Nordestino canta Gilberto Gil” (Biscoito Fino) tem, portanto, a força das ideias que parecem ter existido desde sempre. No disco, o grupo, guardião fiel da cultura do forró, aproxima a obra de Gil de suas raízes — que, quanto mais frondosa a árvore, mais se revelam nos frutos.

Para montar o repertório, o grupo selecionou entre os muitos xotes e baiões espalhados por discos de Gil, em suas diferentes fases. Ou mesmo fora de seus álbuns, como é o caso de “Abri a porta”, que abre o disco. Lançada em 1979 pelo A Cor do Som, a canção foi gravada por Gil ao lado de seu parceiro Dominguinhos em 1980, mas num disco do sanfoneiro.  Na nova interpretação, a singeleza original da composição se mantém, mas com o tempero buliçoso do trio — formado por Luiz Mário (triângulo e voz), Jonas Santana (zabumba e voz) e Tom Silva (acordeon e voz).

Tratado filosófico feito no barro do chão, “De onde vem o baião” soa como se estivesse em casa na sala de reboco do Trio Nordestino. E o arranjo acena para a produção mais recente de Gil — na introdução, a sanfona cita “Uma coisa bonitinha”, parceria do baiano com João Donato gravada em “Ok ok ok”, seu álbum de 2018. Em seguida, o grupo volta ao Gil dos primeiros anos de carreira, com a pré-tropicalista “Procissão” — relato do misticismo sertanejo que carrega a influência direta de Gonzaga e dos cantadores de Ituaçu.

“Cores vivas”, delícia menos conhecida do repertório do Gil, foi pinçada de “Luar (A gente precisa ver o luar)”, de 1981. Leveza que trafega num terreno limítrofe entre o xote e o reggae, no qual Gil se equilibrou em muitos momentos. A proximidade dos gêneros permite o diálogo sem arestas, e Gil sabe como ninguém explorar isso. O baiano costuma contar que quando apresentou a música de Bob Marley a Dominguinhos, o sanfoneiro disse: “Isso que é reggae, é? Xotezinho safado”. 

A faixa seguinte, “Vamos fugir”, segue o mesmo espírito de xotezinho safado — com a diferença de que essa nasceu como reggae. A banda de maçã e a banda de reggae seguem vivas na leitura do Trio Nordestino, mas agora acompanhadas da interjeição “vixe Maria!”. “Palco” — gravada por Gil em 1981 como um funk-disco explosivo — foi outra que o grupo levou para o universo pé-de-serra.

“Refazenda” — do álbum homônimo, de 1975, no qual Gil se propunha a olhar para suas origens — se encaixa à perfeição na embocadura do Trio Nordestino. Assim como “Madalena (Entra em beco sai em beco)”, na qual o grupo estabelece uma festa de São João, guiada pelo resfolego nervoso da sanfona.

As Bahias do sertão e do litoral se encontram em “Toda menina baiana”, lançada em 1979, no disco “Realce”. O clássico ijexá bota o chapéu de couro na versão do Trio Nordestino, que inclui ainda um inesperado e sinuoso solo de baixo.

A mais rara do repertório é “Minha princesa cordel”, que teve apenas uma gravação, em 2011, para a trilha da novela “Cordel encantado” — em dueto de Gil e Roberta Sá. O garimpo valeu. A bela canção merecia ser recuperada, mais ainda pelas mãos de quem domina sua gramática pernambucana.

“Expresso 2222”, o baião que aponta para o futuro, pra depois do distante ano 2000 (a canção foi lançada em 1972), encerra com precisão a viagem do Trio Nordestino pela história de Gil. Uma viagem que, seguindo um trilho que é feito um brilho que não tem fim, nos leva a Ituaçu que não é de matéria ou qualquer coisa real. Uma Ituaçu que vem de baixo do barro do chão. 



Tópicos
Compartilhe

veja também

Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar