Barcelona admite ter contratado Neymar antes de prazo da Fifa

Dirigentes do clube disseram que pagamento de 10 milhões de euros

O presidente do Barcelona, Josep Maria Bartomeu, e seu antecessor, Sandro Rosell, declararam à Justiça da Espanha que fecharam a contratação de Neymar em dezembro de 2011, quando o jogador tinha contrato com o Santos até agosto de 2014, com o pagamento de um adiantamento de 10 milhões de euros.

Segundo as regras da Fifa, um atleta só pode assinar com outro clube quando faltar menos de seis meses para o fim de seu contrato. Esta negociação, porém, foi autorizada pelo então presidente do Santos, Luis Alvaro de Oliveira Ribeiro (morto em 2016). Barcelona e o estafe de Neymar descreviam esse pagamento como um empréstimo.

Áudios e transcrições de depoimentos prestados por Rosell em 2014 e Bartomeu em 2015 revelam o âmbito de uma investigação movida pelo fisco espanhol. O caso foi encerrado por meio de um acordo – o Barcelona aceitou pagar uma multa de 6 milhões de euros às autoridades da Espanha. É o motivo pelo qual nem o clube europeu e nem Neymar quiseram comentar o caso.

Num depoimento prestado em julho de 2014, Rosell declarou ao juiz Pablo Ruz que havia outros clubes interessados em contratar Neymar, e por isso recorreu a um adiantamento para assegurar que o jogador fecharia com o Barcelona. O estafe de Neymar tinha uma carta do então presidente do Santos, Luis Alvaro Oliveira Ribeiro, que os autorizava a negociar.

O contrato de empréstimo

O caso em que esses depoimentos foram tomados já foi encerrado. Há outro em curso na Espanha. E há ainda uma ação movida pelo Santos contra o Barcelona na Fifa.

O clube brasileiro acusa o espanhol de aliciamento, por entender que houve assinatura de pré-contrato fora do período de negociação permitido pela Fifa (os últimos seis meses de um contrato).

O pagamento de 10 milhões de euros feito em 2011 é um dos argumentos do Santos nesta ação. Porém, a autorização dada por Luis Alvaro Oliveira Ribeiro, presidente em 2011, deve enfraquecer a posição do Peixe na disputa. Hoje, o Santos tenta convencer a Fifa que a carta não permitia ao atleta assinar contrato sem o conhecimento do clube.

Barcelona e Neymar começaram a conversar na metade de 2011. De agosto a novembro daquele ano, o clube catalão enfrentou forte concorrência do Real Madrid. Para assegurar a contratação, o Barça adiantou 10 milhões de euros à N&N Consultoria, uma das empresas do pai de Neymar.

As duas partes sempre trataram este pagamento como um empréstimo, um contrato civil, não esportivo, e portanto fora da legislação da Fifa. À corte espanhola, os dirigentes do Barcelona falam abertamente sobre o pagamento de um "sinal" e relatam preocupação em esconder o adiantamento por meio de um contrato de empréstimo.

Image title

Image title

Fonte: Com informações do Globoesporte.com