Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore

Cada jogador do Fla pode receber R$ 52,02 de direitos de arena

Atletas adversários acreditam que têm direito a mais e pretendem cobrar na justiça

Compartilhe

A questão do pagamento dos direitos de arena das partidas do Campeonato Carioca realizadas depois da publicação da Medida Provisória 984/2020, a chamada "MP do Futebol", ainda promete dar pano para manga. Cobrado por meio de notificações extrajudiciais, o Flamengo calculou R$ 52,02 para cada jogador relacionado para o jogo contra o Boavista, pela 5ª rodada da Taça Rio. Mas os adversários acreditam que têm direito a mais e pretendem cobrar esse valor na justiça. Informações do site GloboEsportes.com

O direito de arena é toda receita proveniente da exploração de direitos desportivos audiovisuais. Cinco por cento (5%) desse valor é dividido igualmente entre os jogadores que participaram da partida, independente de terem sido titulares, reservas ou de não saírem do banco. Desde 1999, obedecendo o que diz a Lei Pelé, esse repasse vinha sendo feito pelos sindicatos, mas a MP modificou o texto e determinou que isso passe a ser responsabilidade do clube mandante do confronto - um abaixo-assinado com participação da maioria dos atletas do Rio de Janeiro, com exceção do Flamengo, se opõe a essa mudança.

Flamengo em ação contra o Volta Redonda

Flamengo 2 x 0 Boavista, no dia 1º de julho, foi a primeira partida com transmissão independente depois do retorno do Carioca - depois dela, aconteceram outras cinco. O clube rubro-negro transmitiu o jogo de graça para todo o país em suas páginas oficiais no Facebook e no Youtube e vendeu os direitos de imagem apenas para o exterior, onde aproximadamente 2 mil pessoas acompanharam o duelo através da plataforma MyCujoo. De acordo com o departamento jurídico do Fla, o cálculo do arena foi feito em cima somente do valor adquirido com a venda para fora (R$ 43.700), já que, no Brasil, a transmissão foi de graça.

No entendimento do advogado Luis Felipe Cunha, que representa os jogadores do Boavista na causa, é preciso considerar toda a renda alcançada por meio da transmissão no momento de calcular os direitos de arena.

- O Flamengo, ao fazer o cálculo dos valores devidos dos direitos de arena, não levou em consideração toda a receita adquirida com a transmissão do espetáculo, que são patrocinadores, as visualizações no próprio Youtube, que foi a plataforma utilizada. O vídeo já tem mais de 12 milhões de visualizações. Além disso, no valor apontado por eles, não veio nenhuma comprovação de que esse realmente foi o montante arrecadado. Portanto, nós vamos questionar isso em juízo, nós não concordamos com os valores calculados pelo Flamengo, que são os míseros 52 reais - explicou.

Vice-presidente do departamento jurídico do Flamengo, Rodrigo Dunshee acredita que "eles estão errados", mas ressaltou que "o acesso à justiça é livre".

Valores são amiores, contra Volta Redonda e Fluminense

As outras duas partidas com mando de campo do Flamengo que contaram com transmissão independente no estadual foram Flamengo 2 x 0 Volta Redonda, pela semifinal da Taça Rio, e Flamengo 1 x 0 Fluminense, pelo segundo jogo da final do Campeonato Carioca.

No que diz respeito ao pagamento dos direitos de arena da partida contra o Fluminense, o Flamengo ainda não foi notificado. A MP não estipula um prazo para esse repasse, de modo que entende-se que prevalece o período apontado pela Lei Pelé, que é de 60 dias após o duelo. Os jogadores do Volta Redonda, sim, junto com os do Boavista, notificaram o Fla.

Embora ainda não tenha finalizado o cálculo referente a esses dois jogos, o Flamengo acredita que será um valor maior se comparado ao do Boavista. No caso do Voltaço, além da negociação dos direitos para o exterior, o clube também vendeu a transmissão para o Brasil. O plano era transmitir no MyCujoo cobrando R$ 10 por pessoa. Embora problemas técnicos tenham causado o abandono do planejamento e, no fim, a partida tenha sido veiculada de graça na Fla TV, o clube chegou a arrecadar uma quantia que engordará os 5% dos direitos de arena.

- Esse é um caso mais complicado porque houve devolução de dinheiro. Ainda estamos apurando o valor bruto da partida, mas vamos fazer o depósito. Não tem erro, isso é sagrado, é dinheiro que não é nosso - afirmou Dunshee.

Já contra o Fluminense, o Flamengo vendeu os direitos de transmissão para o SBT. Dunshee explicou que a prioridade é resolver o repasse referente às partidas pelas quais está sendo cobrado (Boavista e Volta Redonda) para, posteriormente, efetuar os depósitos do clássico.



Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar