O dérbi desta quinta-feira (17) entre Palmeiras e Corinthians, às 20h30 (de Brasília), no Allianz Parque, pelo Campeonato Paulista, não será somente o primeiro confronto entre os rivais com técnicos portugueses no banco de reservas. Pela 13º vez na história, os treinadores das duas equipes serão estrangeiros. 

Mais ainda: o duelo entre o palmeirense Abel Ferreira e o corintiano Vitor Pereira será o primeiro na chamada era profissional desde 1933.

A maioria dos Dérbis com comandantes estrangeiros nos bancos dos rivais aconteceu no período entre os anos 1920 e 1930, quando o futebol caminhava para se tornar o esporte mais popular da cidade e os clubes, tais como agora, apostavam em nomes vindos de mercados onde ele já estava mais estabelecido.

Abel Ferreira durante o clássico do último domingo, ante o Santos, no Allianz Parque (Foto: Cesar Greco/Palmeiras)Abel Ferreira durante o clássico do último domingo, ante o Santos, no Allianz Parque (Foto: Cesar Greco/Palmeiras)

Foi diante desse panorama, por exemplo, que aconteceram dois jogos da lista em que os técnicos eram europeus. 

Em 1º de dezembro de 1929, o Corinthians do italiano Virgílio Montarini conquistou o título paulista de forma invicta sobre o Palestra Itália do húngaro Emeric Hirschel após uma goleada por 4 a 1 no antigo Parque Antártica, hoje a reformada arena alviverde.

Marinetti' e Monarini protagonizaram mais alguns embate ao longo dos dois anos seguinte, até que ambos fossem substituídos por nomes da tradicional escola uruguaia, então em voga no futebol com o bicampeonato olímpico e o título da primeira Copa do Mundo, disputada em 1930.

Com isso, apenas duas vezes na história o Dérbi teve treinadores estrangeiros de mesma nacionalidade comandando as equipes. Na quinta, os portugueses farão o terceiro confronto do gênero.

Isso aconteceu no ano de 1933. O uruguaio Ventura Cambon treinava o Palestra Italia e o seu compatriota Pedro Mazzulo era o técnico corintiano. Os alviverdes levaram a melhor nos dois confrontos, com goleadas históricas. A primeira foi em 7 de maio, por 5 a 1, no Parque São Jorge. A segunda, em 5 de novembro, no Palestra Itália, é o maior placar registrado até hoje no confronto: 8 a 0.

Montarini marcou época no Timão. O italiano ficou até 1932 e conquistou o tri em 1930 diante de um Palestra que continuou apostando em húngaros. No Dérbi de 4 de maio daquele ano, contudo, Eugenio Medgyessy 'Marinetti' conseguiu quebrar a invencibilidade rival com uma vitória por 1 a 0 no Parque São Jorge.

O jogo entrou para a história após os palestrinos abandonarem o campo sob pedras e garrafas, inconformados com a anulação do que seria o segundo gol da partida e até hoje a validade oficial do confronto é discutida pelos rivais.

Com informações Lance!