Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Ex-jogador do Atlético-MG é suspeito de abuso sexual

O jogador é marido da paraguaia Larissa Riquelme

Ex-jogador do Atlético-MG é suspeito de abuso sexual
1 | Reprodução
Compartilhe
Google Whatsapp

A polícia internacional está atrás do meia Jonathan Fabbro, do Lobos BUAP, do México, após um juiz determinar a sua captura para prestar depoimento sobre um suposto caso de abuso sexual contra uma menina de onze anos. Fabbro é acusado de ter abusado sexualmente de uma menina que em 2015, quando ela tinha nove anos. A imprensa argentina afirma que se trata da afilhada do jogador.

O jogador, que é marido da paraguaia Larissa Riquelme, famosa musa da Copa do Mundo de 2010, já vestiu a camisa do Atlético-MG em 2006. Segundo a família da vítima, Fabbro esteve pela última vez na Argentina em julho, mas que "de alguma maneira" conseguiu "evitar o controle fronteiriço".

"O juiz Santiago Quian analisou as provas e considerou que está na hora de convocar o acusado a depor. Dado que se trata de um acusado que vive fora do país e o teor da acusação, que é um crime grave, ordenou a captura", disse o advogado Gastón Marano à "Radio Continental".

 src=


"O juiz entendeu que cabe solicitar a captura para que preste depoimento sobre o caso. Em princípio, foi solicitada a colaboração da polícia mexicana também para um pedido de extradição, com o qual ele poderia ser detido caso o México aceite o pedido. Nesse caso, (Fabbro) pode ser detido em território mexicano a pedido da Argentina, como parte de um processo de extradição. Se ele sair do país, a Interpol será a encarregada de capturá-lo", acrescentou.

Ainda conforme o defensor, a Interpol emitiu um alerta vermelho com um pedido de prisão provisória com fins de extradição para o meia de 35 anos. O advogado denunciou que Fabbro abusou da menor entre 2015 e 2016 e que "teria havido prática de sexo oral para o jogador com contato genital". A investigação não se baseia apenas nos relatos da menina, mas também em mensagens de texto e áudios enviados pelo aplicativo WhatsApp.


Tópicos
Compartilhe
Google Whatsapp

veja também

Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se