Independiente empata com Flamengo e leva Copa Sul-Americana

Não faltou apoio das arquibancadas, nem empenho nos mais de 90 min

Não faltou apoio das arquibancadas, nem empenho nos mais de 90 minutos de bola rolando, mas o Flamengo não conseguiu reverter a vantagem imposta pelo Independiente na final da Copa Sul-Americana.  O empate em 1 a 1, na noite desta quarta-feira (13), no Maracanã lotado de rubro-negros, garantiu o título do torneio continental aos argentinos.

Ao ser derrotado por 2 a 1 na partida de ida, quarta-feira passada, na casa do adversário, os rubro-negros precisavam de uma vitória por dois gols de diferença para ficar com a taça e não depender das penalidades –não havia a vantagem do gol qualificado para o visitante. Não deu. No placar agregado (3 a 2), o Independiente deixou o Rio de Janeiro como campeão.

Maior campeão da história da Copa Libertadores, com sete taças, o clube de Avellaneda conquista a Sul-Americana pela segunda vez – o primeiro título veio em 2010. Já o Flamengo mantém o jejum de troféus continentais, que perdura desde a campanha vitoriosa na Copa Mercosul de 1999.

Os gols saíram da partida saíram no primeiro tempo. Lucas Paquetá abriu o placar para Fla. Antes do intervalo, o meia Barco, cobrando pênalti, empatou.

Independiente é campeão em cima do Flamengo
Independiente é campeão em cima do Flamengo (Crédito: AFP)


Arquibancada magnética

As confusões e a tensão do lado de fora do Maracanã deram lugar ao apoio incondicional dos rubro-negros nas arquibancadas. A torcida do Flamengo proporcionou um belo espetáculo de apoio ao time. Com as emoções à flor da pele, também excessos. Contrariando os avisos mostrados nos telões do estádio, sinalizadores foram acesos, o que é proibido, mas a partida não precisou ser interrompida por conta da fumaça. No segundo tempo, outra ocorrência: o Independiente reclamou de objetos arremessados na direção do banco de reservas.

Na plateia, algumas presenças ilustres, como o ex-tenista Gustavo Kuerten. O reconhecimento da equipe ao papel da torcida foi simbolizado na reverência de Lucas Paquetá na comemoração do gol. 

Treze minutos de intensidade

Dos 12 aos 25 minutos do primeiro tempo, Flamengo e Independiente criaram boas oportunidades para abrir o marcador, com vantagem para os brasileiros. Começou com Everton, que ficou cara a cara com Campaña, mas chutou em cima do goleiro, e terminou com Diego, que procurou espaço dentro da área e chutou forte, mas Amorebieta rebateu antes de a bola chegar até a meta argentina.

Independiente é campeão em cima do Flamengo  (Crédito: AFP)
Independiente é campeão em cima do Flamengo (Crédito: AFP)


Um gol em cinco toques

O Flamengo abriu o placar aos 29 minutos da primeira etapa. Diego cobrou falta na área. Juan desviou de cabeça para a segunda trave, Réver se esticou (e se machucou) para colocar a bola na pequena área, a zaga do Independiente cortou erado e Lucas Paquetá, quase em cima da linha, empurrou para o gol. Com o placar agregado em 2 a 2, a decisão do título da Sul-Americana esta indo para a disputa por pênaltis.

Sem medo de decidir

Ezequiel Barco, 18 anos e 1,67 metro de altura, se agigantou diante da pressão da torcida e do lance decisivo que tinha em seus pés no Maracanã. Em contra-ataque armado pelo Independiente, Meza ganhou na corrida de Cuéllar e foi derrubado na área. O árbitro colombiano Wilmar Roldan assinalou a penalidade - confirmada após consulta aos árbitros de vídeo. Aos 39 minutos, Barco cobrou com categoria, deslocando César, e empatou a final, devolvendo a vantagem aos argentinos.

Independiente é campeão em cima do Flamengo  (Crédito: AFP)
Independiente é campeão em cima do Flamengo (Crédito: AFP)


Tudo ou nada

Precisando de dois gols para ser campeão, o técnico Reinaldo Rueda lançou o time ao ataque. Aos dez minutos do segundo tempo, sacou o lateral-esquerdo Trauco e colocou o atacante Vinicius Júnior em campo. Xodó da torcida, o garoto de 17 anos criou uma oportunidade em seu primeiro lance, mas arrematou para fora. Aos 17, a chance veio de cabeça, mas ele errou o alvo.

Depois, foi a vez de o meia Éverton Ribeiro preencher a vaga deixada pelo volante Trauco. Mas o Flamengo, mesmo armado para atacar, deixou o desespero prevalecer e não conseguiu se organizar em campo.


Independiente é campeão em cima do Flamengo  (Crédito: AFP)
Independiente é campeão em cima do Flamengo (Crédito: AFP)


Susto com Cesar

A tensão rubro-negra aumentou quando o goleiro César, ao sair da meta para interceptar um cruzamento, bateu a cabeça no chão e apagou por alguns segundos. Os jogadores pediram urgência no atendimento médico. Ele, no entanto, seguiu no jogo e ainda fez excelente defesa em cabeçada de Gigliotti à queima-roupa.

FLAMENGO 1 x 1 INDEPENDIENTE-ARG

Data e horário: 13 de dezembro de 2017 (quarta-feira), às 21h45 (de Brasília)

Local: Maracanã, no Rio de Janeiro

Público: 54.963 pagantes.

Arbitragem: Wilmar Roldan, auxiliado por Alexander Guzman e Cristian de la Cruz (todos da Colômbia)

Arbitragem de vídeo: Daniel Fedorczuk, auxiliado por Nicolás Taran (ambos do Uruguai) e Roberto Tobar (Chile)

Cartões amarelos: Vinicius Júnior (Flamengo); Albertengo e Meza (Independiente)

Gols: Lucas Paquetá, aos 29 minutos do primeiro tempo; Barco (de pênalti), aos 39 do primeiro tempo

Flamengo César; Pará, Réver, Juan e Trauco (Vinicius Júnior); Willian Arão, Cuéllar (Everton Ribeiro) e Diego; Lucas Paquetá, Everton e Felipe Vizeu (Lincoln) Técnico: Reinaldo Rueda

Independiente-ARG Campaña; Bustos (Gastón Silva), Franco, Amorebieta e Tagliafico; Domingo, Rodríguez, Meza (Sanchez Miño), Benítez (Albertengo) e Barco; Gigliotti Técnico: Ariel Holan.




Independiente é campeão em cima do Flamengo  (Crédito: AFP)
Independiente é campeão em cima do Flamengo (Crédito: AFP)



Fonte: Uol
logomarca do portal meionorte..com