Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

"Império da maconha" ajudou Mike Tyson a não ir à falência

"Tyson Holistic" gera cerca de R$ 5 milhões mensais ao pugilista de 53 anos que, durante a carreira, teve inúmeros problemas judiciais e financeiros

Compartilhe

Multicampeão dos pesos-pesados e tido como um dos boxeadores mais letais de todos os tempos, o lendário Mike Tyson, de 53 anos, teve inúmeros problemas financeiros e judiciais ao longo de sua carreira como esportista. Mas ele foi visionário ao investir em um mercado novo que o ajudou, inclusive, a não ter que decretar falência. O sucesso atual das finanças de Iron Mike se deve, principalmente, à maconha.

O pugilista se valeu do fato que o consumo para fins recreativos é liberado no estado da Califórnia, nos Estados Unidos, desde 2018, e investiu, através da "Tyson Holistic", em produtos relacionados à maconha. A subsidiária mais conhecida desse conglomerado é o "Rancho Tyson" ("Tyson Ranch"). Hoje, somente três estados (Idaho, Nebraska e Dakota do Sul) proíbem qualquer tipo de uso. Em 15 estados americanos, o uso foi descriminalizado. Ao todo, são 11 estados onde a maconha é completamente legalizada, tanto para fins medicinais quanto recreativos.


Mike Tyson tem lucros mensais que, segundo a imprensa americana, no fim do ano passado, chegavam a gerar US$ 500 mil mensais (ou seja, quase R$ 3 milhões). Os dados atualizados de abril de 2020, citados pelo pugilista em seu podcast mostram que, mensalmente, ele vende hoje US$ 1 milhão (aproximadamente R$ 5 milhões), o que mostra que é um mercado em expansão. Em seu programa na internet, ele falou ainda que usa, para consumo próprio, uma quantidade equivalente a US$ 82 mil (R$ 410 mil) por mês de sua própria produção.

- É um estilo de vida - afirma Tyson.

Quando pugilista, Tyson viu tudo o que ganhou com premiações e patrocinadores - cerca de US$ 300 milhões (R$ 1,5 bilhão) se esvair. No início da década de 2000, deixou a prisão pela segunda vez acusado de assédio sexual. Ele ainda precisou lidar com uma depressão pela morte da própria filha, Exodus, que tinha quatro anos, em uma tragédia domiciliar, e ainda foi usuário de cocaína.

Agora, graças ao império da maconha que foi montando aos poucos desde 2016, está em uma situação financeira tranquila novamente.

- Cannabis é um remédio. Nesse momento da inteligência mundial, nesse momento da vida, deveriam saber que cannabis não é uma droga. Independentemente da punição que nos dão, não podemos parar de usá-lo. Não vamos parar - falou Tyson em uma entrevista à revista canadense “Kind”.






Ver essa foto no Instagram









Another moment of zen brought to you by Tyson Ranch.

Uma publicação compartilhada por  Tyson Ranch™️ (@tysonranchofficial) em


Tyson ainda pretende expandir seus negócios relacionados à cannabis: quer abrir um resort com hotel, spas, pousadas. Tudo ligado à erva. Além disso, quer sediar festivais anuais sobre maconha nesse local (e tem como objetivo rivalizar com o famoso Coachella) e fundar a "Universidade Tyson", com cursos agrícolas para ensinar os alunos a cultivar a planta.

- Pensei em quanto de bom eu poderia fazer ajudando pessoas com maconha - disse ele ao site Cannabis Tech Today.

Seu parceiro de negócios há quatro anos, Rob Hickman afirmou que a maconha fez muita diferença na vida de Tyson, que deixou de ser uma pessoa agressiva para ser alguém muito calmo.

- Mudou a vida dele. Ele é a pessoa perfeita agora - falou à revista "GQ".






Ver essa foto no Instagram









Michelangelo reimagined.

Uma publicação compartilhada por  Tyson Ranch™️ (@tysonranchofficial) em



De acordo com a "Fox Sports" americana, o objetivo da "Tyson Holistic" é promover o debate sobre as propriedades curativas da cannabis e de uma das substâncias químicas encontradas nela, o canabidiol. Sua companhia produz, por exemplo, um gel que tem infusão de CBD e que conta com comprovação clínica de alívio de dores musculares e artrite.

Tyson tem também uma subsidiária chamada "CHILL", que produz água alcalina com canabidiol. O pugilista também crê que o CBD pode ajudar no vício a opiáceos.

- Eu estive lutando contra isso por 20 anos, e meu corpo tem muito desgaste. Eu tive duas cirurgias e usei a marijuana para acalmar meus nervos, e levou a dor embora. Mas, antes disso, eles me colocavam nesses opiáceos, e os opiáceos me prejudicavam muito - disse.

Iron Mike contou também que ele não cultiva a maconha que utiliza nos produtos da "Tyson Holistic". Apesar de ser o cabeça de um império, o pugilista conta com fornecedores e é responsável pelo controle de qualidade: ele insiste que as cepas sejam cultivadas em ambientes fechados, colhidas com base na maturidade, curadas por 30 dias para garantir flavonoides naturais, aparados à mão, livres de pesticidas e testados em laboratório. Assim, gera um selo que atesta essa qualidade.


Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar