Oito anos depois de perder para Camar?es em Sydney 2000, a sele??o brasileira conseguiu a sua vingan?a. Neste s?bado, o time de Dunga venceu por 2 a 0, na prorroga??o, e avan?ou para as semifinais do torneio de futebol masculino das Olimp?adas de Pequim. Na pr?xima fase, o Brasil ir? enfrentar o vencedor do confronto entre Argentina e Holanda.

A vit?ria tem um gostinho especial para Ronaldinho Ga?cho, j? que o meia fez parte da sele??o que perdeu h? oito anos. Destaque tamb?m para a aus?ncia de Alexandre Pato. Titular do time em toda a primeira fase, ele ficou no banco de reservas e sequer entrou no decorrer da partida.

Quem acordou cedo para acompanhar a partida n?o precisou de muito tempo para perceber que algo de curioso estava acontecendo. Os jogadores de Camar?es corriam tanto que pareciam ser mais do que 11 em campo. Eles estavam em todos os lugares, mesmo com o forte calor que castigava Shenyang.

Pela primeira vez no torneio de futebol masculino destas Olimp?adas a sele??o brasileira tinha pela frente um advers?rio de respeito. Sim, porque a B?lgica, rival da estr?ia, deixou o seu poder de fogo no passado. E o que dizer de Nova Zel?ndia e China?

A sele??o de Camar?es foi campe? ol?mpica em Sydney 2000, quando eliminou o pr?prio Brasil. Pode at? n?o ser uma pot?ncia mundial, mas j? deixou claro que n?o gosta de entrar nas competi?es para brincar. E acreditem, eles n?o brincaram nem um segundo durante os primeiros 45 minutos. Sem perder a viagem, faziam faltas quando eram driblados ou perdiam a bola. O jogo f?sico irritou os brasileiros, o confronto pegou fogo. Canela virou bola. Foram cinco cart?es amarelos, mas poderiam ter sido sete, oito. E caberiam tr?s vermelhos, para Marcelo, Baning e Bikey, os mais violentos.

Lances de perigo foram raridade. Os sistemas defensivos superaram os ataques. E a grande decep??o da etapa foi Ronaldinho Ga?cho. O meia-atacante se movimentou pouco e quase n?o tocou na bola. Pouco jogou, fazendo o Brasil sentir a falta do toque genial que havia aparecido contra a Nova Zel?ndia.

Na volta do intervalo, o "apetite" camaron?s pelas canelas brasileiras continuou. Ali?s, aumentou. O que mudou foi o comportamento do ?rbitro Damir Skomina, da Eslov?quia. Aos 6, Baning entrou por tr?s em Lucas e acabou expulso.

Mesmo com um a menos em campo, Camar?es seguiu correndo por muitos. A sele??o brasileira valorizava a posse de bola, tocava pacientemente em busca dos espa?os, mas raramente criava chances.

O tempo foi passando, e a press?o brasileira aumentava a cada minuto. O time de Dunga n?o jogava bem, mas tinha o dom?nio territorial, at? pela vantagem num?rica. Ronaldinho Ga?cho reclamava mais das faltas dos advers?rios do que jogava bola. Quem jogava bem era ?nderson. Incans?vel, marcava e conduzia o time ao ataque. Grande atua??o.

Aos 21, Thiago Neves entrou no lugar de Hernanes. Uma tentativa de aumentar a criatividade da sele??o. Deu certo, mas n?o o suficiente. Apesar de alguns lances perigosos, o jogo acabou indo para a prorroga??o.

N?o, n?o desta vez. Depois de 10 minutos de muitas faltas e pouco futebol, a sele??o brasileira desencantou. Diego acertou lindo passe para Rafael S?bis. O atacante, na ?nica chance que teve, invadiu a ?rea e chutou na sa?da do goleiro Tignyemb para fazer 1 a 0. Sem dar tempo para Camar?es respirar, Marcelo, quatro minutos depois, iniciou o lance que culminou no segundo gol brasileiro. Ele tabelou com Thiago Neves e tocou sem defesa.

Com a vantagem, a sele??o brasileira diminuiu o ritmo e fez o tempo passar. Camar?es ainda tentou, se lan?ando ao ataque quando tinha a bola e nas canelas brasileiras quando estava sem ela, mas j? era tarde demais. A merecida vit?ria colocava o Brasil nas semifinais.