Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore

Palmeiras fica no empate com Grêmio e deixa pontos escaparem

Análise reflete que time está cansado mesmo após classificação rumo à Libertadores

Compartilhe

O gol de empate sofrido aos 42 minutos do segundo tempo, depois de dominar grande parte do jogo contra o Grêmio, na noite da última sexta-feira, e perder um sem-fim de chances, diz muito sobre o momento em que o Palmeiras se encontra na temporada. Com informações do GE.

O placar de 1 a 1 do Allianz Parque por si só esconde o bom desempenho do time escalado por Abel Ferreira – com o que tinha de melhor à disposição –, principalmente no primeiro tempo. Vale, portanto, em primeiro lugar, destacar a resposta rápida do elenco.

Três dias depois de ter sido massacrado pelo River Plate, que quase devolveu placar suficiente para lhe tirar a vaga na final da Libertadores, o Palmeiras massacrou o Grêmio. Nos 45 minutos iniciais.

Abel Ferreira conversa com Mayke, que voltava após se recuperar de Covid-19 e entrou no fim — Foto: Cesar Greco/Ag. Palmeiras

Com menos de um minuto, numa bobeada da defesa, Breno Lopes e Rony tiveram contra-ataque de "dois contra um", mas o atacante vindo do Juventude desperdiçou a chance. Depois, ele, Rony e Willian colocaram uma bola na trave cada um.

Mesmo o gol de Raphael Veiga, marcado aos 32 minutos da primeira etapa, foi chorado, após uma finalização furada por Rony na entrada da pequena área.

O Palmeiras desceu para o vestiário com um só gol, mas bom desempenho e bons números: 58% de posse de bola e 11 finalizações. Em resumo, com a prova de que esse time é capaz de jogar muito melhor do que jogou contra o River Plate.

Raphael Veiga fez o gol do Palmeiras. Poderia ter sido bem mais no primeiro tempo. — Foto: Marcos Ribolli

Segundo tempo diferente

A volta do intervalo, porém, mostraria o outro lado desse Palmeiras. Um Palmeiras cada vez mais no limite físico, com desfalques e muitos compromissos em sequência pelas três competições ainda em disputa.

Aos poucos, apesar de ainda criar – e de Willian ter obrigado o goleiro Vanderlei a fazer duas difíceis defesas –, a equipe foi cedendo ao cansaço e, consequentemente, cedendo terreno ao Grêmio, que terminaria com 54% de posse de bola e 12 finalizações (sete na etapa final). O técnico Abel Ferreira tentou renovar o fôlego com as cinco substituições permitidas, mas pouco adiantou.

Uma delas, aliás, foi simbólica: Marcos Rocha, aparentemente por cansaço, deu lugar a Mayke, um dos muitos nomes do elenco que contraíram Covid-19 e havia acabado de se recuperar. Foi em cima dele, de um jogador recém-recuperado e sem ritmo, que o veterano Diego Souza fez o gol de cabeça, o gol de empate, aos 42 minutos.

Um empate que refletiu bem o momento do Palmeiras: um time tecnicamente muito capaz, mas também muito cansado.

Sem tempo para treinar, mas também sem tempo para se lamentar, esse time agora passa a se preocupar com o Corinthians, rival de segunda-feira, às 19h (de Brasília), em jogo adiado do Brasileirão, novamente no Allianz Parque.



Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar