O presidente da CBF, Ednaldo Rodrigues vai propor, a partir de 2023, a aplicação de punições esportivas contra os times cujos torcedores demonstrarem comportamentos racistas. Ednaldo vai levar a ideia ao Conselho Técnico do Campeonato Brasileiro, instância formada pelos clubes participantes da competição do ano que vem.

Foi o Conselho Técnico, por exemplo, que vetou a venda de mando de campos e que primeiro aprovou (em 2021) e depois derrubou (em 2022) o limite para a troca de técnicos.

Presidente da CBF vai propor perda de pontos por casos de racismo em 2023 (Foto: Divulgação/Lucas Figueiredo/CBF)Presidente da CBF vai propor perda de pontos por casos de racismo em 2023 (Foto: Divulgação/Lucas Figueiredo/CBF)Ednaldo Rodrigues vai anunciar essa intenção nesta quarta-feira, durante o primeiro Seminário de Combate ao Racismo e à Violência no Futebol, organizado pela CBF. Estão confirmadas na abertura do evento o cantor Gilberto Gil, como convidado de honra, o presidente da Conmebol, Alejandro Domínguez, e o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco.

"O evento é um marco para o início de uma série de iniciativas que vão discutir de uma forma mais profunda o combate ao racismo e à violência no futebol. É um gesto histórico para dar um basta contra o racismo e a ignorância no futebol. Além do evento, vamos fazer uma série de ações nos estádios nesta semana para conscientizar o torcedor. Chega de discriminação", disse Ednaldo Rodrigues.

Durante o seminário, vai ocorrer a apresentação da edição de 2021 do Relatório da Discriminação Racial do Futebol, produzido anualmente pelo Observatório da Discriminação Racial no Futebol. Segundo Marcelo Carvalho, fundador do Observatório, o número de casos explodiu no ano passado em relação a 2020.

"Foram 31 casos em 2020 e 64 em 2021. Esse é o número de casos de racismo no futebol brasileiro ou com atletas brasileiros em competições sul-americanas", disse Carvalho.

Neste ano, a CBF passou a patrocinar o trabalho do Observatório.

"O trabalho do Observatório é muito relevante pela qualidade da pesquisa e ajuda a dar mais profundidade na discussão. A parceria da CBF serve para dar uma tranquilidade financeira ao grupo e ajudá-los a desenvolver projetos ao longo prazo", declarou o presidente da CBF.

O evento na sede da CBF também vai contar com a presença de representantes da Fifa, como Pavel Klymenko, que falará sobre "Melhores práticas internacionais no combate à discriminação". e Andrey Reis, líder de planejamento e operações de segurança da Fifa.

Fonte: Globo Esporte