Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Recado direto e reto aos craques brasileiros

Por que os expoentes da classe têm uma postura tão tímida até agora, quando sabem eles melhor do que a maioria de nós a importância da solidariedade?

Compartilhe
Google Whatsapp
Siga-nos

O recado é direto e reto: o que estão esperando os jogadores brasileiros de futebol que são milionários para meter a mão no bolso e doar aos mais necessitados em meio à crise provocada pela pandemia? Informações do site GloboEsportes.com

A quase ausência de um movimento coordenado do, digamos, G-20 dos boleiros nacionais é decepcionante. A maioria absoluta dos jogadores de futebol bem sucedidos no Brasil saiu da parcela mais pobre da sociedade. Grande parte enfrentou dificuldades, passou fome, cresceu sem saneamento básico, escola e conhece como poucos a realidade do abandono e da falta de esperança.

Por que, então, os expoentes da classe têm uma postura tão tímida até agora, quando sabem eles melhor do que a maioria de nós a importância da solidariedade?

Meu discurso não é político, demagógico. Dentro das minhas limitações faço o que posso para ajudar e, sinceramente, gostaria de fazer muito mais. Assim como sei que vários jogadores e ex-jogadores de futebol de sucesso ajudam muita gente, possuem fundações, contribuem regularmente.

Uma vaquinha virtual ou improvisada desse grupo, além de arrecadar quantias importantes, terá um impacto tremendo na sociedade como um todo. Nada contra ideias e gestos como doar uma luva, uma camisa, uma bola, fazer um leilão, um desafio de embaixadinhas com rolo de papel higiênico. Mas, moçada, isso é pouco! Muito pouco!

O que gostaria de ver agora é uma ação conjunta, um grito, uma atitude. Um líder dessa turma, um Neymar, um Thiago Silva, um Philippe Coutinho, um Dani Alves, um Gabigol, um Dudu, um Cebolinha, um desses integrantes desse FMI da bola pegar um telefone e mandar uma mensagem no WhatsApp dizendo: “Galera, vamos tirar esse escorpião do bolso!”.

De uma certa forma é transferir a responsabilidade para alguém e driblar a consciência. Quem tem fome não quer leilão de camisa, quer comida no prato, dinheiro para comprar remédio. Diversos setores da sociedade brasileira estão se mobilizando.

+ Leia mais no blog do Maurício Noriega

Empresários milionários doam pequenas fortunas, bancam a construção de hospitais em tempo recorde. Bancos estão comprando milhões em equipamentos para testes. Mais do que a luva e a camisa, a massa de esfomeados brasileiros quer socorro em meio à inundação.

Se essa ajuda vier dos pés por quem eles gritam nos domingos, por quem pintam suas ruas esburacadas e seus barracos nas Copas, o auxílio se transforma em alento. Imaginem o poder de uma ação coordenada pelos jogadores que integram a seleção brasileira, agindo em nome da energia que emana dessa camisa amarela.

Esqueçam a CBF, ela não é a seleção brasileira. A camisa é a alma da seleção. Aliás, a própria CBF poderia – ou deveria – propor isso aos jogadores de seleção.

Nossos atletas têm condição de furar a bolha na qual muitos de nós pensamos em que eles vivem. Essa bolha de vídeos ostentando carrões, piscinas, festas, supercarros esportivos, aviões particulares e coleções de malas de grife.

Dentro da bolha há manifestações firmes e rápidas quando são contrariados, criticados, expostos. O blogueiro adoraria ser confrontado por uma resposta que desmentisse este texto ou, pelo menos, provocasse a reflexão.

Vemos atitudes desse tipo sendo tomadas por grandes craques milionários da Europa. Inclusive de forma coordenada. Sei que existe uma grande desconfiança por parte de quem quer doar nesse momento terrível.

O Brasil é líder mundial de picaretagem. Desvia-se merenda escolar sem constrangimento, criam-se falsos carros de bombeiros para tentar invadir condomínios sob o pretexto de resgatar doentes para praticar assaltos. Entre outras barbaridades.

Muitos jogadores talvez queiram doar, mas não saibam como. Há diversos caminhos. Diretamente a hospitais públicos, através do G10 das Favelas, da Cufa (Central Única das Favelas). É possível levar comida e sustento a milhares de famílias através de uma ação, de uma pequena parcela dos rendimentos dos craques, dirigentes e treinadores mais abastados do Brasil.



Tópicos
Compartilhe
Google Whatsapp
Siga-nos

veja também

Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar