Técnico do Brasil rumo a mais uma Copa do Mundo, Tite revelou que já recebeu sondagens de Real Madrid e Paris Saint-Germain antes do Mundial da Rússia, há quatro anos. Em entrevista ao jornal 'The Guardian', o treinador explicou os motivos de preferir permanecer no comando da Seleção.

- Na Copa do Mundo (pouco antes), eles (Real Madrid) disseram que queriam conversar e eu disse "não, não vou falar, não chegue perto". Quero estar em paz comigo e com o meu trabalho. Estou dando o meu melhor. Quando você faz algo em paralelo, isso não está sendo feito ao máximo. Eu não posso fazer isso. Recebi ofertas (antes da Copa 2018) do Real Madrid, PSG e Sporting. Mas eu não queria isso. Eu quero ganhar a Copa do Mundo. Depois da Copa do Mundo, vou decidir meu futuro - comentou o treinador.

Técnico da Seleção Brasileira preferiu focar na Copa do Mundo. (Foto: CHARLY TRIBALLEAU/AFP)Técnico da Seleção Brasileira preferiu focar na Copa do Mundo. (Foto: CHARLY TRIBALLEAU/AFP)

- Se você ganhar a Copa do Mundo, terá um mercado aberto. Você pode escolher. Não vou mentir: minha ideia definitivamente não é trabalhar no Brasil. Quero passar um ano com minha família, tirar um ano sabático, estudar, não ter responsabilidade porque a responsabilidade é muito grande. Se algo vem de fora, vai acontecer. Agora tenho a responsabilidade e a alegria de ser o técnico da Seleção. Não vou nem falar com ninguém - completou Tite.

Um dos assuntos da entrevista de Tite com o veículo inglês foi Neymar. Uma das principais estrelas da Seleção, o jogador do PSG foi elogiado pelo treinador, que o classificou como protagonista do Brasil.

- Neymar é Neymar. Ele continua sendo nossa maior estrela. A diferença agora é que o brilho é diluído por estrelas próximas que também podem brilhar. A grandeza de Neymar é que ele entende isso. Do crescimento desses meninos. Ele encoraja os meninos a subir de nível. O tempo e a experiência proporcionam essa maturidade - encerrou Tite.