Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore

Ronaldinho Gaúcho e irmão chegam ao Rio após prisão no Paraguai

Os dois foram libertados da prisão domiciliar no Paraguai, na tarde de segunda-feira (24)

Compartilhe

O ex-jogador Ronaldinho Gaúcho e o irmão, Roberto de Assis, chegaram ao Rio de Janeiro na tarde desta terça-feira (25) junto com o advogado brasileiro Sérgio Queiroz. O avião decolou de Assunção, no Paraguai, às 13h42.

O horário de chegada do voo não foi confirmado, mas o ex-jogador passou pelo saguão do Aeroporto Internacional Tom Jobim - o Galeão - por volta das 16h40.

Fãs que esperavam o ex-jogador de futebol no aeroporto gritavam palavras de apoio para Ronaldinho após ele passar mais de cinco meses preso.

Os dois foram libertados da prisão domiciliar no Paraguai, na tarde de segunda-feira (24), mediante pagamento de multa de R$ 1,1 milhão. Eles estavam detidos preventivamente havia mais de cinco meses após entrarem no país com documentos paraguaios adulterados.

De acordo com o documento, de autorização da saída do país, os três passageiros do voo e os tripulantes foram orientados a seguir as medidas sanitárias de prevenção ao novo coronavírus.

Ronaldinho Gaúcho e o irmão chegam ao Brasil Foto: Marcos Serra Lima/G1

Decisão

Segundo o acordo, Ronaldinho Gaúcho deve pagar mais de R$ 500 mil, e o irmão dele, condenado por uso dos documentos falsos, mais de R$ 600 mil.

Conforme sugerido pela defesa, o valor total da multa será descontado dos mais de R$ 8,9 milhões depositados como fiança, em abril, para a concessão da prisão domiciliar. Segundo o juiz, cerca de R$ 7,8 milhões serão ressarcidos à dupla.

Como a Justiça acatou o pedido do Ministério Público, após o prazo legal, o processo será arquivado. O juiz informou ainda que o valor da multa será utilizado no combate à Covid-19 no Paraguai.

LEIA TAMBÉM

-Ronaldinho Gaúcho e irmão são soltos e podem voltar para o Brasil 

- Ronaldinho Gaúcho completa 4 meses preso no Paraguai 

Ronaldinho Gaúcho e Assis voltam a recorrer em processo no Paraguai 

-Ronaldinho Gaúcho rompe silêncio no Paraguai e dá primeira entrevista 

-"Ronaldinho não sabe porque foi preso", diz ex-presidente do Barcelona

- Preso no Paraguai, Ronaldinho aparece em live de pagode; assista 

- Preso, Ronaldinho tem hotel de luxo só para ele, irmão e assistentes 

- Messi chama de “fake news” notícias sobre suposta ajuda a Ronaldinho 

-Como Ronaldinho pagou fiança para sair da cadeia no Paraguai? 

-Juiz do Paraguai concede prisão domiciliar a Ronaldinho Gaúcho e irmão

 Vídeo:Ronaldinho se destaca em partida de vôlei em prisão no Paraguai 

- Preso, Ronaldinho recebe parabéns de famosos: "Que vença essa etapa" 

-Ronaldinho Gaúcho comemora 40 anos vivendo o pior momento da vida 

- Caso Ronaldinho: empresária pagou U$ 18 mil por documentos falsos

- Ronaldinho marca 5 gols e dá assistências em jogo em prisão paraguaia 

- Ronaldinho Gaúcho autografa camisa do Flamengo em presídio 

- Jornalista mostra suposta foto de Ronaldinho na cadeia no Paraguai 

- Ronaldinho e Assis colaboram no Paraguai e estão livres de acusação

Prisão no Paraguai

Ronaldinho e Assis estavam detidos desde março, após entrarem no Paraguai com passaportes e documentos paraguaios adulterados. Outras três pessoas foram presas na ocasião.

De acordo com o promotor paraguaio Federico Delfino, existia um processo de naturalização no Paraguai aberto para Ronaldinho Gaúcho e seu irmão, Assis Moreira. Segundo ele, o procedimento corria à revelia dos dois brasileiros.

Ainda segundo Delfino, o esquema também envolveria um funcionário público paraguaio, que teria apresentado uma série de documentos à Direção de Migração do Paraguai para naturalizar os dois irmãos.

Ao envolver órgãos oficiais paraguaios, o caso se ampliou no país. Em 5 de março, o diretor geral da Direção de Migrações, Alexis Penayo, pediu demissão do cargo e criticou o Ministério do Interior pela demora na resolução do caso envolvendo Ronaldinho Gaúcho.

Inicialmente, o Ministério Público do Paraguai decidiu não acusar Ronaldinho e Assis por terem entrado no país com passaportes adulterados. De acordo com os promotores, os dois admitiram o erro — e, assim, a promotoria entendeu que eles "foram enganados em sua boa-fé".

No entanto, o juiz Mirko Valinotti, do Juizado Penal de Garantias de Assunção, que ouviu os brasileiros, rejeitou o pedido do MP na ocasião.

Após a audiência que durou seis horas, o Valinotti decidiu que os dois seguiriam sendo investigados. A Justiça do Paraguai determinou a prisão preventiva dos irmãos Assis Moreira, alegando "risco de fuga e que o Brasil não extradita seus cidadãos". No país, a prisão preventiva pode durar até seis meses.

Em 7 de abril, o juiz do Paraguai concedeu prisão domiciliar aos irmãos. Eles pagaram fiança de 1,6 milhão de dólares e, desde então, estavam hospedados em hotel no centro de Assunção, proibidos de deixar o pais.

Ronaldinho Gaúcho e o irmão chegam ao Brasil Foto: Marcos Serra Lima/G1


Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar