Tite não pensa em renovar contrato antes da Copa do Mundo de 2018

Tite também evita projeções sobre o que faria após Copa na Russia

Desde que assumiu a Seleção Brasileira no final de julho, Tite está invicto, com seis vitórias em jogos das Eliminatórias, marcando 17 gols e sofrendo apenas um, e um triunfo por 1 a 0 sobre a Colômbia em amistoso em homenagem à Chapecoense. Apesar da boa fase e do respeito que o Brasil recuperou após sua chegada, o treinador de 55 anos não pensa em renovar o seu contrato antes da Copa do Mundo de 2018, que será realizada na Rússia.

“Seria mentirosa (uma proposta de renovação antes da Copa), pode esquecer (risos). A renovação sempre está ligada aos resultados. Não gostaria que acontecesse (uma proposta antecipada de extensão contratual). Prefiro esperar o fim do Mundial, porque, aí sim, poderei analisar tudo da melhor maneira possível”, declarou o ex-técnico do Corinthians em entrevista ao jornal português O Jogo.

Tite não pensa em renovar contrato antes da Copa do Mundo de  2018
Tite não pensa em renovar contrato antes da Copa do Mundo de 2018


Assim como não fala em renovar agora seu contrato na Seleção, Tite também evita fazer projeções sobre o que fará depois da Copa da Rússia, deixando claro que suas decisões serão tomadas apenas depois do torneio. O treinador da Seleção ainda revelou que já recebeu uma oferta para ir para a China.

“Admito que não pensei nisso ainda. Quando fui campeão mundial com o Corinthians, em 2012, senti que me habilitei para ser lembrado pela Seleção Brasileira. Consegui, hoje estou na Seleção. Agora, o foco é melhorar e, em seguida, a disputa do Mundial. Se o Brasil for campeão, quero dar um tempo e analisar o rumo da minha carreira. porque é difícil planejar o futebol a longo prazo. Mas uma coisa é certa: atingi o máximo em termos de posição profissional”, afirmou o treinador. “Sim, tive (uma proposta da China). Foi no fim de 2013, logo depois que deixei o Corinthians. Contudo, na época, eu apostava na oportunidade de assumir a Seleção Brasileira. Acreditava que, se fosse para a China, pudesse perder visibilidade”.

Além disso, Tite deu a sua opinião sobre o fato de os técnicos brasileiros não estarem em grandes clubes na Europa. “Mais uma pergunta difícil. Talvez falta de reconhecimento e melhor preparação da nossa parte. A Copa de 2014 mexeu muito com os treinadores brasileiros, a nossa classe foi a grande culpada pelo insucesso”, afirmou. “Depois perceberam que o lado diretivo também tinha culpa, a imprensa, os jogadores . . Precisamos capacitar nossos treinadores cada vez mais, que todos tenham cursos padrão Uefa. Felizmente tenho visto a CBF correr atrás disso. Quero ver treinadores brasileiros na Europa, em Portugal, todos eles em busca de uma formação melhor. Fato é: a língua também é determinante. Não adianta eu, por exemplo, querer trabalhar no futebol inglês. Digo isso porque não vou atingir excelência de trabalho, não posso me enganar. . . A língua é fundamental”, completou.

Fonte: msn
logomarca do portal meionorte..com