Um casal de Nova York foi preso e acusado de conspirar para lavar US$ 4,5 bilhões em fundos de criptomoedas roubados.

Autoridades policiais apreenderam US$ 3,6 bilhões desses fundos no que a vice-procuradora-geral dos EUA, Lisa Monaco, chamou de “a maior apreensão financeira do departamento de todos os tempos”.

Polícia prende casal de NY e apreendem US$ 3,6 bi em criptomoeda roubada- Foto: DivulgaçãoPolícia prende casal de NY e apreendem US$ 3,6 bi em criptomoeda roubada- Foto: Divulgação

Ilya Lichtenstein, 34, e sua esposa, Heather Morgan, 31, são acusados de tentar lavar dinheiro roubado em um enorme hack da exchange de criptomoedas Bitfinex em 2016.

As prisões e apreensão de dinheiro marcam uma vitória para as autoridades dos EUA em meio a uma série de assaltos a plataformas de criptomoedas.

Nos últimos anos, os hackers fugiram com centenas de milhões de dólares de cada vez em ataques a exchanges de moedas virtuais.

Lichtenstein e Morgan são acusados de conspiração para cometer lavagem de dinheiro, que pode levar até 20 anos de prisão, e conspiração para fraudar os EUA, que pode levar até cinco anos de prisão, segundo oficiais da Justiça.

Um advogado do casal não foi encontrado imediatamente para comentar.

O departamento não anunciou acusações pelo hack real da Bitfinex, e funcionários do Departamento de Justiça se recusaram a comentar mais, citando uma investigação em andamento.

À medida que o número de ransomware e outros hacks crescem na economia, as agências de aplicação da lei procuram rastrear e apreender de forma mais agressiva a criptomoeda frequentemente usada por hackers criminosos.

No ano passado, autoridades americanas recuperaram US$ 2,3 milhões dos US$ 4,4 milhões em resgate que a Colonial Pipeline pagou a uma gangue de língua russa.

“Isso mostra que, mesmo quando técnicas sofisticadas de lavagem de dinheiro são usadas, os registros indeléveis de blockchain geralmente permitem que as autoridades vinculem atividades criminosas a indivíduos”, disse Tom Robinson, cofundador da empresa de análise de criptomoedas Elliptic, à CNN.