A Agência de Defesa Agropecuária do Estado do Piauí (ADAPI) realizou fiscalização nesta quinta-feira, 28, em Teresina, nos estabelecimentos que comercializam agrotóxicos e apreendeu 14 litros entre herbicidas e regulador de crescimento.

Segundo o engenheiro agrônomo Paulo Melo Segundo, fiscal e que atua no setor de educação sanitária da Adapi, as fiscalizações são realizadas com regularidade. "Fizemos uma ação de rotina em estabelecimentos não registrados para o comércio de agrotóxicos", disse, enfatizando que foram apreendidos produtos com datas de validade vencida e revendas sem o registro para a comercialização de agrotóxicos.

Fiscais da Adapi vistoriam estabelecimentos (Divulgação)Fiscais da Adapi vistoriam estabelecimentos (Divulgação)

A fiscalização, de acordo com Paulo Melo, assegura o comércio seguro e dentro da lei de produtos perigosos, bem como a destinação correta das embalagens vazias de agrotóxicos que geralmente são reutilizadas para guardar milho ou feijão ou até mesmo como garrafa de água ou são descartadas na natureza, contaminando o lençol freático, rios, peixes quando não são queimadas formando uma nuvem tóxica.

Como resultado da fiscalização foram lavrados termos de apreensão e autos de infração que, após o devido processo administrativo, poderão ser convertidos em multas.

Fiscalização em estalecimentos comerciais (Divulgação)Fiscalização em estalecimentos comerciais (Divulgação)

Segundo Paulo Melo, os tipos de fiscalizações realizadas pela Adapi e as infrações mais comuns estão a fiscalização do registro, do uso, da venda, do trânsito interestadual e da devolução das embalagens vazias. "As infrações mais comuns são comércio e uso de agrotóxicos vencidos, falta do uso de EPI (Equipamento de Proteção Individual), revenda sem registro para comercialização", diz.

O engenheiro agrônomo informa que a ADAPI segue um calendário de fiscalização. "Além docronograma, temos ações realizadas a partir de denúncias", explica.