Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Agentes públicos recebem recomendações do MPPI para o combate da Covid

Os documentos solicitam que agentes públicos e políticos desses municípios não distribuam e nem permitam a distribuição de bens, valores ou benefícios durante todo o ano de 2020.

Compartilhe

O Ministério Público do Estado do Piauí (MPPI), por meio das Promotorias Eleitorais que atuam nas 5ª, 20ª, 31ª, 32ª, 37ª, 45ª, 47ª, 56ª, 67ª, 69ª, 72ª, 74ª, 85ª e 48ª Zonas Eleitorais, dos municípios de Oeiras, Santa Rosa do Piauí, São João da Varjota, São João do Piauí, Altos, Coivaras, Pau D'Arco, Simplício Mendes, Batalha, Palmeirais, Simões, Manoel Emídio, Itaueira, Barro Duro, Passagem Franca do Piauí, São Miguel da Baira Grande, Prata do Piauí, São Félix do Piauí, Santa Cruz dos Milagres, Joaquim Pires, Murici dos Portelas, Piracuruca, São João da Fronteira, São José do Divino, Alto Longá, Parnaíba (3ª Zona Eleitoral) e Elesbão Veloso expediram recomendações sobre medidas adotadas por gestores públicos voltadas ao enfrentamento da situação de emergência e calamidade pública decorrente da pandemia do novo Coronavírus (COVID-19).

Os documentos solicitam que agentes públicos e políticos desses municípios não distribuam e nem permitam a distribuição de bens, valores ou benefícios durante todo o ano de 2020, como doação de gêneros alimentícios, materiais de construção, passagens rodoviárias, quitação de contas de fornecimento de água ou energia elétrica, doação ou concessão de direito real de uso de imóveis para instalação de empresas, isenção total ou parcial de tributos, dentre outros, salvo se se encontrarem diante de alguma hipótese de exceção, como calamidade, emergência e continuidade de programa social.

Caso haja a distribuição gratuita à população de bens, serviços, valores ou benefícios, diante da situação de emergência declarada após o surto de COVID-19, deverá ser feita com prévia fixação de critérios objetivos (quantidade de pessoas a serem beneficiadas, renda familiar de referência para a concessão do benefício, condições pessoais ou familiares para a concessão, dentre outros) e estrita observância do princípio constitucional da impessoalidade e comunicando às Promotorias Eleitorais. Também é vedado o uso promocional em favor de agente público, candidato, partido ou coligação, da distribuição gratuita de bens, serviços, valores ou benefícios;

Caso seja realizada dispensa de licitação pelos entes municipais em decorrência da COVID-19,  deverão comunicar às Promotorias Eleitorais expedidoras das recomendações no prazo de cinco dias após a abertura do procedimento, e disponibilizar, imediatamente, em site oficial, o nome do contratado, o número de sua inscrição na Receita Federal do Brasil, o prazo contratual, o valor e o respectivo processo de contratação ou aquisição.

Os agentes públicos também deverão verificar se os programas sociais em continuidade no ano de 2020 foram instituídos em lei e se integram a Lei Orçamentária Anual aprovada em 2018 e executada em 2019, não permitindo mudanças e incrementos substanciais que possam ser entendidos como um novo programa ou com alterações com fins eleitorais. Já repasses de recursos a entidades nominalmente vinculadas a candidatos ou pré-candidatos deverão ser suspensos.

Também não deve ser permitida a continuidade nem o uso de programas sociais da administração municipal que proporcionem a promoção de filiados, pré-candidatos e candidatos às eleições de 2020.

As Promotorias Eleitorais recomendam ainda que, em 2020, o presidente das Câmaras Municipais não deem prosseguimento nem coloquem em votação no Plenário projetos de lei que permitam a distribuição gratuita de bens, valores e benefícios a pessoas físicas ou jurídicas.

Em caso de descumprimento às vedações, o infrator, agente público ou não, estará sujeito ao pagamento de multa entre R$ 5.320,50 e R$ 106.410,00, além da cassação do registro ou do diploma do candidato beneficiado e inelegibilidade decorrente do abuso de poder ou da conduta vedada.


Tópicos
Compartilhe

veja também

Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar