Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Ameaça não denunciada pode acabar em feminicídio

Só nos primeiros cinco meses de 2019, foram registrados 12 feminicídios no Piauí, e todas essas mulheres foram assassinadas pelos companheiros.

Compartilhe
Google Whatsapp

A mulher é morta pelo simples fato de ser mulher. Assim é o feminicídio, ou seja, o homicídio praticado contra mulheres, motivado por violência doméstica ou discriminação de gênero.

Só em 2018, 56 mulheres foram assassinadas no Piauí, sendo 27 feminicídios. Segundo a polícia, uma ameaça que não é denunciada pode, sim, acabar em feminicídio. Só nos primeiros cinco meses de 2019,  foram registrados 12 feminicídios no Piauí, e todas essas mulheres foram assassinadas pelos companheiros.

Por ter altos índices do crime no Estado do Piauí, foi criado o Dia de Enfrentamento ao Feminicídio. O Estado tem diversos mecanismos de combate ao crime, e entre eles estão: o aplicativo 'Salve Maria', a Central de Flagrantes de Gênero e quatro Delegacias Especializadas.

De acordo com a subsecretária de Segurança, Anamelka Cadena, o Piauí tem criado políticas públicas de proteção à mulher.

"Podemos dizer que a gente tem muitas políticas públicas, já sendo desenvolvidas em âmbito do Estado do Piauí, inclusive sendo modelo para outros Estados, em razão das boas práticas que têm implementado, desde o início da lei, que veio trazendo essa circunstância qualificadora do feminicídio, e se preocupou com a qualidade os procedimentos policiais, com a existência de uma unidade especializada para a investigação dessas modelagens de práticas", disse a subsecretária.

Ela enfatizou ainda que, além de todas essas políticas públicas, ainda existe a preocupação com a qualidade dos procedimentos e de outras performances de denúncias. "A gente começou a perceber desde o início a sinalização de práticas de violências recorrentes, com muitos feminicídios, no âmbito da violência doméstica familiar. E dizer que o feminicídio é um assassinato de mulher, por ser mulher", finalizou Anamelka.

A mulher precisa de ajuda para denunciar o companheiro. É esse o trabalho do Centro de Referência 'Esperança Garcia', que atualmente atende 64 mulheres, realizando o atendimento psicológico e o fortalecimento econômico.


De 2016 até agora, 528 mulheres já passaram pelo Centro e todas conseguiram romper com o ciclo de violência e salvar a própria vida. Essa matéria foi veiculada no Programa Setenta Minutos, apresentado pelas jornalistas Shirley Evangelista e Eli Lopes.



Tópicos
Compartilhe
Google Whatsapp

veja também

Localização

Definir a localização padrão

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Fique por dentro

Receba notícias quentinhas diretamente no seu whatsapp

Continuar

Falta pouco, agora escolha as categorias que deseja receber notícias

Aperte (ctrl + clique) para selecionar vários
Pronto!

Agora você passará a receber novidades diretamente no seu whatsapp.

Termos de uso

Texto

Política de privacidade

Texto

×