mais

Aposentadoria de forma integral fica mais difícil a partir de hoje

Regra conhecida como 85/95 ganha um ano a mais a partir de hoje.

Aposentadoria de forma integral fica mais difícil a partir de hoje
aposentadoria | Reprodução

A partir de hoje, uma pessoa que queira solicitar a aposentadoria integral precisa que a soma de sua idade e o seu tempo de contribuição à Previdência seja pelo menos 96 anos, no caso dos homens, ou  ou 86, para as mulheres. Até ontem, o somatório exigido para o contribuinte ter direito à aposentadoria integral era de 95 anos para o homem, e de 85 para a mulher. Ou seja, quem quiser ter direito ao benefício integral, vai ter que comprovar um ano a mais de contribuição, ou de vida.

Mas quem completou neste ano o direito a se aposentar pelos limites vigentes até ontem não precisa se preocupar, ou correr para deixar o mercado de trabalho, pois o benefício pode ser solicitado a qualquer momento sem prejuízo.   “Como existe a burocracia, é possível que na agência do INSS, um funcionário queira impedir, mas é uma questão de direito adquirido e basta contratar um advogado”, explica o economista e consultor financeiro, Edísio Freire.

Uma questão que os beneficiários devem levar em conta é a existência do Fator Previdenciário, que diminui o valor do benefício de quem pede a aposentadoria antes do prazo, mas pode aumentar a aposentadoria de quem começou a contribuir muito cedo e aceite esticar um pouco mais a entrada nos papéis.

“Em alguns casos, o Fator Previdenciário pode elevar o valor do benefício”, afirma o advogado Eddie Parish, especializado em direito previdenciário. Ele dá como exemplo um trabalhador que teve como renda média um salário de R$ 4.000 e que começou a contribuir com 18 anos.  “Com o fator, é possível que seu benefício alcance R$ 4.400, a depender do índice”, afirma o advogado, ressaltando que o teto do setor privado é R$ R$5.645,00.

Considerações:


- Caso o contribuinte não cumpra as regras de aposentadoria, pode ter seu pedido
negado. É preciso ter 85 pontos para mulheres e 05 pontos para homens e, ter
contribuído 30 anos para mulheres e 35 anos para homens.


- A média dos salários é um outro ponto que conta muito, por isso o cálculo é apenas
ilustrativo.


- O tempo de contribuição e a idade também são relevantes no cálculo.


- Nessas condições, o homem perde 1,52% em relação ao fator previdenciário e a mulher
perde 45,14%.


- O fator previdenciário foi mais prejudicial a mulher porque ela contribuiu menos tempo
que o homem, mesmo podendo se aposentar antes.

\"\"

Aumento gradual


O consultor destaca que essa mudança que ocorre hoje  estava prevista desde 2015, quando a Lei 13.183  estabeleceu ao aumento gradual  da idade mínima para a aposentadoria. O benefício pode ser requerido antes do prazo para aposentadoria integral. Nesse caso, o segurado aceita a aplicação do Fator Previdenciário, que na maioria das vezes provoca redução no valor a ser recebido.

Para o advogado Eddie Parish, o objetivo do governo com as mudanças é que as pessoas se aposentem mais tarde. “Uma pessoa que comece a trabalhar aos 50 anos e contribua durante 15 anos para a Previdência pode requerer a aposentadoria”, afirma Perish. Neste caso, entretanto, não teria direito ao valor integral.

Condenada à extinção nas discussões sobre reforma da Previdência, a aposentadoria por tempo de contribuição – que não requer idade mínima para ser concedida – eleva o salário médio dos beneficiários em 102% em relação à renda dos aposentados por idade, de acordo com dados do INSS. O trabalhador que pede a aposentadoria após ter contribuído por ao menos 30 anos (mulher) ou 35 anos (homem). O valor médio pago nestes casos é de  R$ 2.174,96. 
Com esses períodos de recolhimentos atingidos, o benefício pode ser requisitado independentemente da idade do segurado. A média salarial para quem se aposenta por idade (pelo menos 60 anos para mulheres e  65 anos para homens) é de R$ 1.076,42.

Entenda o cálculo
 

Na maioria dos casos, o aposentado por tempo de contribuição conseguiu se manter empregado no mercado formal de trabalho durante a maior parte da vida. O número maior de recolhimentos pode ajudar a elevar o benefício, pois são considerados no cálculo apenas os 80% maiores salários recebidos desde 1994. Além disso, o profissional que se manteve empregado por cerca de três décadas teve mais chances de contribuir com salários mais elevados.

A situação do aposentado por idade costuma ser diferente. Grande parte desses segurados recebem o benefício tendo completado apenas a carência de 15 anos de contribuição.

A maioria também recolheu sobre salários mais baixos, próximos ao valor do salário mínimo. A regra 85/95 também contribuiu para ampliar a vantagem salarial de quem se aposenta por tempo de contribuição, pois ela ajuda trabalhadores que se aposentam ainda na casa dos 50 anos de idade a não terem suas rendas reduzidas pelo fator previdenciário.

As discussões que envolvem a reforma da Previdência tendem a se concentrar em um ponto principal: evitar que os brasileiros continuem se aposentando sem a necessidade de completar uma idade mínima.

A justificativa apresentada por aqueles que defendem a idade mínima de aposentadoria é o aumento das despesas com aposentadorias e o risco que isso traz para a economia do país em um futuro relativamente próximo.

Atualmente, a idade média dos que se aposentam por tempo de contribuição é de 53 anos (mulheres) e de 55 anos (homens), conforme dados divulgados pela Secretaria de Previdência, considerando a expectativa média de vida no país, que atualmente é de 73 anos, segundo o IBGE.

Isso significa que esses segurados receberão aposentadorias por muito tempo, considerando a crescente expectativa de vida da população do país, que hoje está em 76 anos, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). O número de pessoas com 65 anos ou mais avançará de 16,1 milhões, em 2015, para 58,4 milhões, em 2060. O aumento é de 263%, apontam as projeções também do IBGE, divulgadas pelo Ministério da Fazenda.

Mas, por enquanto, os debates sobre a reforma têm apenas motivado mais trabalhadores a anteciparem suas aposentadorias. No primeiro semestre de 2018, 775,6 mil segurados pediram aposentadorias por tempo de contribuição. O número é 40% maior do que as 554,2 mil solicitações do mesmo período de 2016, antes do Congresso começar a discutir a reforma.

Mudanças na aposentadoria

Como era: Até ontem, para solicitar a aposentadoria o interessado deveria: comprovar um tempo mínimo de contribuição de 30 anos para mulher e de 35 anos para homem. Nesse caso, o benefício poderia ser solicitado por uma pessoa de 50 anos que começou a trabalhar com carteira assinada aos 15; Um outro critério é a soma do tempo de contribuição em anos com a idade devia ser de 85 para a mulher e 95 para o homem. Outro cenário era a comprovação de 15 anos de contribuição com uma idade mínima de 60 para mulheres ou 65 para homens. Quem já atingiu um desses três critérios tem direito adquirido.

Como ficou: para solicitar a aposentadoria o interessado deve comprovar um tempo mínimo de contribuição de 30 anos para mulher e de 35 anos para homem (se a Reforma da Previdência for aprovada com o texto atual, o benefício só vai poder ser solicitado a partir dos 53 anos (mulheres) e 55 anos (homens). (com a Reforma, essa idade vai se expandir gradualmente até alcançar 62 anos paras as mulheres (em 2038) e 65 anos (em 2038); a soma do tempo de contribuição em anos com a idade devia ser de 86 para a mulher e 96 para o homem, ou a comprovação de 15 anos de contribuição com uma idade mínima de 60 para mulheres ou 65 para homens.

Tópicos

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Desbloquear Notificações

Como desbloquear notificações

Na barra de endereço, clique no cadeado e em Notificações escolha a opção permitir, como na imagem abaixo

desbloqueio de notificação push

Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail