O australiano Philip Wilson, de 67 anos, é um arcebispo da igreja católica que foi considerado culpado por encobrir crimes de cunho sexual cometidos por outro sacerdote. Ele é o religioso de maior escalão da Igreja Católica a ser processado judicialmente em um caso sobre abusos sexuais e corre o risco de pegar uma pena de dois anos de prisão.

Wilson foi acusado de ter mantido em segredo os crimes de pedofilia cometidos contra quatro crianças pelo sacerdote Fletcher, na década de 1970, quando ambos serviam a mesma diocese.

Na manhã desta terça-feira (22), Wilson foi julgado por um tribunal de Newcastle, na Austrália.  A sua defesa tentou por quatro vezes arquivar o processo, alegando as condições de saúde como um fator adverso. O religioso  sempre negou todas a acusações. No mês passado, sob juramento, Wilson disse que nenhum coroinha lhe relatou que havia sofrido abusos sexuais por parte do padre James Fletcher nos anos 1970.

O arcebispo é ainda vice-presidente da Confederação Episcopal Australiana. Ele ficará em liberdade sob a condição de se apresentar ao tribunal no próximo dia 19 de junho, quando será lida sua sentença.

 (Crédito: Ansa - Brasil)
(Crédito: Ansa - Brasil)