Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore

Bolsonaro diz que não delega atribuições presidenciais sobre vacina

Mourão disse, em entrevista à revista Veja, que o Brasil vai comprar doses da CoronaVac.

Compartilhe

O presidente Jair Bolsonaro foi sucinto ao comentar a declaração do vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB) sobre a compra da CoronaVac, vacina desenvolvida pela chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan. Sem citar o nome do vice-presidente, Bolsonaro afirmou nessa 6ª feira (30.out.2020) que não delega a ninguém assuntos que competem ao presidente da República.

Mourão disse, em entrevista à revista Veja, que o Brasil vai comprar doses da CoronaVac. Também afirmou que a discussão em torno da vacina é “briga política” com o governador João Doria (PSDB).

“O governo vai comprar a vacina, lógico que vai. Já colocamos os recursos no Butantan para produzir essa vacina. O governo não vai fugir disso aí”, disse o vice-presidente à Veja.

Jair Bosonaro e  Hamilton Mourão 

Ao canal CNN Brasil, Bolsonaro falou: “Eu não delego a ninguém tratar sobre qualquer outro assunto relacionado ao presidente da República. E a caneta BIC é minha e ainda tem tinta”.

Bolsonaro reafirmou que a vacinação contra a covid-19 não será obrigatória. Disse também que não é função da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) pagar pelas doses do imunizante. “A Anvisa não paga a conta, ela apenas autoriza [a fabricação e aplicação de vacinas]”, falou o presidente.

O CASO

O Ministério da Saúde assinou, em 20 de outubro, protocolo de intenção de compra de 46 milhões de doses do imunizante desenvolvido pelo laboratório chinês e que será produzido no Brasil. Ofício (íntegra – 208 KB) encaminhado pela pasta ao Instituto Butantan em 19 de outubro confirma a intenção do governo federal.

No dia seguinte, no entanto, Bolsonaro proibiu a compra do que chamou de “vacina chinesa de João Doria”. O governador de São Paulo é seu desafeto político. Exigiu a comprovação científica da eficácia do imunizante contra a covid-19.

A decisão do presidente fragilizou o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, que havia assinado o acordo para aquisição da CoronaVac. Bolsonaro minimizou a divergência com o ministro e disse que ele será mantido à frente da pasta.

“Falaram até que a gente tava brigado. No meio militar é comum acontecer isso aqui, algum choque, alguma coisa, não teve problema nenhum”, disse o presidente em live de 22 de outubro.


Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar