Cadeirante aciona PM após não conseguir embarcar em ônibus

A empresa informou que foi o primeiro caso registrado

Um cadeirante precisou acionar a Polícia Militar para conseguir embarcar em um ônibus de viagem na tarde desta terça-feira (18). De acordo com a própria vítima, o motorista da Cristalense Transportes e Turismo disse que não poderia ajudá-lo porque o veículo não era adaptado para fazer o transporte de pessoas que usam cadeiras de rodas.

Após acionar a Polícia Militar, o cadeirante José Crispolini Filho conseguiu embarcar no ônibus que tinha a cidade de Ituverava como destino. 

Em nota, a Cristalense informou que se tratou de um caso isolado e disse que nunca havia acontecido algo similar antes com um veículo da empresa. Além disso, a Cristalense afirma que orienta seus profissionais a ajudar pessoas com qualquer tipo de deficiência e vai tomar as medidas cabíveis.

Cadeirante aciona PM após não conseguir embarcar em ônibus
Cadeirante aciona PM após não conseguir embarcar em ônibus


José afirma, entretanto, que essa não foi a primeira vez que ele foi alvo de preconceito por motoristas enquanto tentava embarcar em um ônibus na região. Segundo ele, sua cadeira de rodas é motorizada devido ao fato de que ele possui dificuldades para mexer as mãos e isso torna o equipamento mais pesado do que as cadeiras de rodas mais simples.

“Cheguei na rodoviária para pegar o ônibus e o motorista e o cobrador disseram que não iam me pegar e eu chamei a polícia. Já viajei nesse ônibus algumas vezes, em outra oportunidade também tive que chamar a polícia, mas os agentes não precisaram me colocar dentro do ônibus. Daquela vez o problema foi na hora de tirar a passagem. A moça não queria vender, chamei a polícia, eles vieram, e o policial comprou minha passagem porque ela não queria vender”, diz.

Cadeirante aciona PM após não conseguir embarcar em ônibus
Cadeirante aciona PM após não conseguir embarcar em ônibus


Nessa ocasião, os próprios funcionários da empresa se organizaram para colocar o homem dentro do veículo, mas ele diz que a situação vivida nesta terça-feira foi algo extremo. José usa cadeira de rodas desde que nasceu devido a um problema na hora do parto, quando houve falta de oxigênio em seu cérebro, o que ocasionou uma paralisia cerebral.

Ao chegar em seu destino, colegas de uma policial de quem ele é amigo ajudaram o homem a descer do ônibus. José teme, entretanto, que a situação poderá se repetir na segunda-feira (24) quando ele deverá usar o mesmo ônibus para voltar à cidade. O vídeo do ocorrido desta terça-feira foi gravado por um policial que presenciou o ocorrido.

“Acontece diariamente, até quando uso ônibus de Franca é a mesma coisa. O pessoal não tem um pingo de preparo”, finaliza.

Fonte: Com informações do G1
logomarca do portal meionorte..com