Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Caminhoneiros do Piauí vão paralisar suas atividades neste sábado

Paralisação deve acontecer em todo o Brasil

Compartilhe
Google Whatsapp

Uma nova paralisação geral entre os Caminhoneiros de todo o país deve ocorrer no sábado (30). A classe entende que os principais compromissos assumidos pelo governo Michel Temer no ano passado não estão sendo cumpridos. As lideranças da categoria reiteram que o objetivo é chamar atenção do Governo para algumas insatisfações em relação ao preço dos combustíveis e sobre fiscalização do cumprimento do pagamento do piso mínimo do frete. No Piauí, os caminhoneiros prometem cruzar os braços e aderir a carreata neste fim de semana.

A paralisação será colocada  em prática por caminhoneiros autônomos de todo o Brasil em um movimento semelhante à greve geral de maio de 2018. De acordo com o Presidente do Sindicato de Transportes de Cargas do Piauí(Sindicapi), Humberto Lopes, os compromissos assumidos pela ex-presidente não foram cumpridos."A categoria está se articulando para a paralisação porque há uma 'fadiga' total entre os carreteiros. Estamos indo à Brasília para tratar do assunto para que o governo aceite algumas medidas que eles estão querendo e a política de preço dos combustíveis que não tem como acompanhar e a tabela do frete mínimo que foi uma grande erro do governo passado", disse.

José Alvesn Filho 

Na pauta de reivindicações da classe estão o pedido que diz respeito ao piso mínimo da tabela de frete. Os caminhoneiros reclamam que as empresas têm descumprido o pagamento do valor mínimo e cobram uma fiscalização mais ostensiva da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). A agência  prometeu mais ações e declarou que já fez mais de 400 autuações contra empresas. O segundo item da pauta é o preço do óleo diesel. Os caminhoneiros querem que o governo estabeleça algum mecanismo para que o aumento dos combustíveis, que se baseia em dólar, seja feito só uma vez por mês, e não mais diariamente. 

O caminhoneiro natural do Ceará, Raimundo Nonato, 68 anos, atua no ramo há 45 anos e chega a ficar 25 dias longe de casa e  alega que a profissão já não compensa mais. "Vamos aderir a paralisação porque está numa situação que não podemos mais trabalhar. O frete não está compensado e está uma coisa absurda. O óleo diesel está R$ 3,75  a 3,85 e o preço da entrega às vezes, só dá para o combustível e sobra muito pouco e ainda tem o gasto com alimentação - até o banho estamos pagando", reclamou. 

"A paralisação é fundamental porque o Governo ainda não mostrou melhora na economia. A categoria quer que o Governo atual e as transportadoras mantenham a tabela de frete e mostre o financiamento para o caminhoneiro autônomo renovar a frota. Hoje, a tabela de frete dos estados do Nordeste pagam mais que os do Sul e Sudeste", relatou o caminhoneiro cearense, Antônio Elias, 54 anos.

O presidente do Sindicapi reforça que a classe está forte e unida e lembra dos prejuízos causados pela última paralisação. "A situação dos carreteiros é uma situação muito melindrosa e eles articularam na primeira vez e deu certo e que hoje ainda se vê o resultado e agora eles estão mais forte para promover outra ação, apesar que não acredito que muitos dos caminhoneiros deverão aderir devido a demanda do mercado que está muito baixa", afirmou Humberto.


Confirmação


Por telefone ao Jornal MN, a Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA), uma das instituições de representação dos caminhoneiros, composta por 140 sindicatos e 8 federações que liderou a greve no ano passado, informou que o movimento identificado para o próximo dia 30 de março está confirmado e trata-se de uma carreata com o intuito de chamar a atenção do Governo para algumas insatisfações da categoria, tais como o não cumprimento da Lei do Piso Mínimo do Frete e aumento expressivo do valor do óleo diesel. A CNTA completou ainda que sempre apoiará as decisões tomadas pela categoria e por sua base coligada, mas esclarece que pelo seu monitoramento, o movimento do próximo sábado não tem finalidade grevista. 


Questionado sobre o anúncio da Petrobras, o presidente da CNTA, Diumar Bueno, afirma que a medida não é nada confortável e agrava ainda mais o momento difícil dos caminhoneiros. Segundo ele, "a medida adequada para amenizar a atual situação da categoria, seria o reajuste mensal e uma resposta do Governo sobre fiscalização do cumprimento do pagamento do Piso Mínimo do Frete". Sobre o "Cartão Caminhoneiro", também anunciado pela Petrobras, o presidente destaca que se trata de outra medida ilusória porque não garante nenhum valor menor de mercado, só estipula uma regra para sua rede praticar o mesmo valor. 

A Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam) em Brasília informou em nota enviada à reportagem que não detectou uma proposta de paralisação entre seus membros e nem convocou uma nova greve geral.  O presidente Jair Bolsonaro deve se manifestar sobre as solicitações dos caminhoneiros nos próximos dias. 




Tópicos
Compartilhe
Google Whatsapp

veja também

Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se