Campo Maior receberá curso de Reanimação Cardiopulmonar

O Programa de Educação Médica é oferecido pelo CFM/CRM-PI

O Programa de Educação Médica Continuada que é oferecido pelo CFM/CRM-PI começou no último final de semana, sendo realizado no município de Valença do Piauí, no Sul do Estado. É o primeiro do ano em curso. A coordenação do Programa realizará o Curso de Urgências e Emergências Cardiológicas em vários municípios até o final do ano. A coordenação do programa, em reuniões com a diretoria do CRM-PI, inova, trazendo também o Curso de Reanimação Cardiopulmonar no Adulto e no Neonato, este aberto para todos os profissionais de saúde que atuam em maternidades ou em salas de parto em geral, como médicos, profissionais da enfermagem e fisioterapeutas. Este curso, ministrado pelo médico pediatra e neonatologista de Teresina, Marcos Bittencourt, que atua na Maternidade D. Evangelina Rosa, acontecerá em todos os municípios, em paralelo com o curso de Reanimação Cardiopulmonar para Adulto. O próximo curso acontecerá no dia 8 de abril, na Secretaria Municipal de Educação, no município de Campo Maior, para o qual a coordenação do Programa convida médicos inscritos no CRM-PI, médicos intercambistas e outros profissionais de Saúde de Campo Maior e municípios vizinhos a participarem. O curso é gratuito.

Em Valença, o ministrante do curso teórico e prático de Urgências e Emergências Cardiológicas foi ministrado pelo coordenador do Programa de Educação Médica Continuada, o cardiologista Luiz Bezerra Neto. O curso é voltado para médicos de qualquer área e intercambistas que atuam principalmente no setor de urgência e emergência.


Marcos Bittencourt, que também é instrutor do Programa de Reanimação Neonatal da Sociedade Brasileira de Pediatria, informou que atualmente existe uma grande preocupação em torno de algumas estatísticas, como a de que a cada 25% dos bebês que têm algum problema durante o nascimento morrem no dia em que nascem e a meta é reduzir esses índices para diminuir a mortalidade infantil no Brasil.

Ele afirmou que essa mortalidade infantil vem diminuindo no país, mas ainda é grande a mortalidade no período neonatal (recém nascidos – RN), principalmente por anoxia, que é a privação de oxigênio no momento do nascimento, por isso a grande importância das equipes de saúde estarem preparadas para saberem recepcionar o bebê durante o nascimento, porque em algum momento um bebê precisará de ajuda para iniciar a primeira respiração. Um em cada 10 bebês vai precisar de ajuda com massagem cardíaca, um em cada 100 precisará ser intubado, precisando de cuidados intensivos e um em cada 1000 precisará de reanimação avançada, onde será preciso massagem cardíaca, intubação e uso de medicações.

Os problemas respiratórios ocorrem porque o desfecho do nascimento na vida do ser humano é caótica, passa de uma vida intrauterina, onde não há nenhuma necessidade de respirar, porque a placenta faz todas as trocas gasosas, e logo após o nascimento o RN precisa manter uma respiração efetiva e quando isso não ocorre,surge algum grau de sequela, se o atendimento não for feito com eficiência nesse momento do nascimento. “É de suma importância que todo profissional que trabalha em sala de parto esteja munido de experiência e de uma boa prática de reanimação neonatal”.

A prática tem o fluxograma da reanimação, com passos iniciais da reanimação, aprendizagem sobre ventilação com pressão positiva, intubação, massagem cardíaca e saber quando se deve utilizar medicações. No curso o Dr. Bittencourt apresenta uma sequência de cuidados para que médicos e as equipes de saúde não se adiantem em uma tomada de decisões e nem deixem de fazer uma ação que é de suma importância. Ele afirmou que a frequência cardíaca é o parâmetro mais importante para que o profissional deve observar para que possa ter uma tomada de decisão no passo seguinte da reanimação neonatal.


Fonte: Portal MN